RECURSOS (IN)VISÍVEIS: AVALIAÇÃO DA ESPIRITUALIDADE/RELIGIOSIDADE NA SAÚDE MENTAL: UM ESTUDO COMPARATIVO NA PERSPECTIVA DA BIOÉTICA CLÍNICA.

NADALIN JÚNIOR, Odenir1; ESPERANDIO, Mary Rute Gomes2;

Resumo

Introdução:O projeto investiga o modo como espiritualidade/religiosidade interage no contexto da saúde mental e as implicações no campo da Bioética Clínica. Este campo de estudos tem demonstrado que a espiritualidade/religiosidade de uma pessoa influencia suas decisões morais em geral, bem como nas questões de saúde em particular. Especificamente na saúde mental, há necessidade de pesquisas em ampla diversidade de contextos culturais e geográficos e especialmente sobre suas aplicações clínicas.

Objetivo:1) evidenciar o funcionamento da espiritualidade/religiosidade em pacientes com transtornos psiquiátricos, em dois contextos/países distintos de atendimento em saúde mental: Curitiba e Langenthal (Suíça)? 2) Verificar a aplicabilidade, utilidade e universalização (ou não) da abordagem teórico-prática e dos instrumentos de medida do coping religioso/espiritual, conflitos espirituais e do apego a Deus na avaliação da religiosidade/espiritualidade em pacientes psiquiátricos e comparar os dados entre os dois contextos socioculturais? 3) contribuir com a reflexão no campo da Bioética Clínica através da proposição de diretrizes sobre como e quando avaliar os recursos e as necessidades espirituais dos pacientes, com vistas à provisão de um cuidado em saúde em perspectiva integral e centrada na pessoa.

Metodologia:O estudo é de natureza quantitativa, do tipo survey, de corte transversal, descritivo e os dados serão coletados através da aplicação dos seguintes instrumentos: Escala Breve de Coping Espiritual/Religioso; Inventário de Apego a Deus (IAD); Escala de Conflitos Espirituais, Escala da Centralidade da Religiosidade e o Questionário Sociodemográfico. Participarão da pesquisa 325 pacientes em tratamento psiquiátrico, sendo 100 pacientes brasileiros e 250 pacientes suíços. A análise dos dados levantados será realizada por meio de ferramenta estatística própria para esse tipo de pesquisa, o SPSS. A interpretação dos dados se dará a partir de uma perspectiva interdisciplinar, envolvendo a Bioética Clínica, a Psicologia da Religião e a Medicina.

Resultados:Por se tratar de uma pesquisa em andamento, os resultados aqui apresentados são parciais. No contexto brasileiro, apenas 16% dos pacientes relataram alguma abordagem acerca de questões espirituais/religiosas no ambiente terapêutico. Os pacientes foram considerados religiosos de acordo com a média (3,9), sendo a prática privada (4,5) a dimensão da religiosidade mais utilizada. Estratégias de coping positivo estiveram altamente presentes em 55% dos casos. Houve correlação significativa no nível de 0,01 entre a presença de coping negativo e apego do tipo ansioso.

Conclusões:Torna-se relevante, tanto para os trabalhadores que se ocupam dos cuidados em saúde, quanto para bioeticistas, conhecer em detalhes, de que modo elementos da espiritualidade/religiosidade podem impactar os resultados em saúde e influenciar tomadas de decisões éticas.

Palavras-chave:Coping espiritual/religioso. Apego a Deus. Conflitos espirituais. Pacientes psiquiátricos. Espiritualidade/religiosidade. Bioética clínica.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador