EFEITO DA VARIAÇÃO DA FASE CRISTALINA DE SUPERFÍCIE NANOESTRUTURADAS DE TITÂNIO NA ATIVAÇÃO DE PLAQUETAS E NEUTRÓFILOS HUMANOS.

NOGOCEKE, Rodrigo Amauri 1; POPAT, Ketul 3; JUNIOR, Paulo Cesar Soares 3; NETIPANYJ, Marcela Ferreira dias 3; ESPOSITO, Selene Elifio2;

Resumo

Introdução:Devido a suas excelentes propriedades, o titânio é o biomaterial mais utilizado em implantes ortopédicos e dentários. Com o uso da nanotecnologia e o tratamento térmico, é possível modificar a nanoestrutura do titânio e formar nanotubos com diferentes fases cristalinas. Essas modificações afetam diversas propriedades do titânio, alterando a adsorção de proteínas, a adesão e diferenciação de células associadas a tais superfícies, podendo assim contribuir com o processo de cicatrização após o implante.

Objetivo:Realizar pesquisa científica na área de biomateriais para o desenvolvimento de superfícies nanoestruturadas de titânio com estrutura cristalina variável e avaliar sua influência na ativação plaquetária e polarização de neutrófilos humanos.

Metodologia:Os nanotubos de titânio foram fabricados pela anodização eletroquímica em dietilenoglicol e ácido fluorídrico a 60V por 6 horas, e então anelados a 300, 530 e 630°C por 5 horas. As amostras de nanotubos (NT) foram caracterizadas usando microscopia eletrônica de varredura (MEV), goniometria de ângulo de contato e difração de raio-x (XRD). Sangue foi coletado e centrifugado para separação do plasma. O plasma rico em plaquetas foi pipetado sobre as amostras de titânio e incubado por 2h em uma incubadora a 37°C e 5% de CO2, com agitador automático a 120 rpm. A adesão plaquetária foi caracterizada usando microscopia de fluorescência pela coloração das células com calceina. A ativação plaquetária foi caracterizada usando MEV após fixação das células em glutaraldeído 3%. Neutrófilos foram isolados do sangue de um doador saudável por centrifugação de gradiente duplo utilizando Histopaque® 1119 e 1077. Cerca de 2,5x105 neutrófilos foram plaqueados nas amostras de titânio e então incubados por 2h a 37°C e 5% de CO2 em uma incubadora de cultivo celular. Os neutrófilos foram fixados em glutaraldeído 3% e caracterizados quanto a adesão e morfologia por MEV. A ativação dos neutrófilos foi caracterizada por citometria de fluxo com o uso da sonda de espécies reativas de oxigênio, DCFH-DA.

Resultados:Os resultados desse estudo mostraram que o anelamento do titânio a 300 e 530°C resultou na formação da fase anatase e o anelamento a 630°C na formação das fases anatase/rutilo. A modificação das fases cristalinas dos nanotubos de titânio influenciou na adesão e ativação plaquetária, com as amostras de NT530 e NT630 apresentando grau de adesão e ativação significativamente maior que nas amostras de titânio puro (Ti). As amostras de NT530 tiveram um número significativamente maior de neutrófilos aderidos quando comparado as amostras de Ti e NT630. A partir do MEV das superfícies, foi possível observar que a presença dos nanotubos nas amostras de titânio influenciou na morfologia e possivelmente na ativação dos neutrófilos.

Conclusões:Os resultados obtidos demonstram que as modificações na topografia do titânio e o tratamento térmico influenciaram na adesão das plaquetas e dos neutrófilos. A presença dos nanotubos resultou em modificações na morfologia dos neutrófilos. Novos estudos devem ser realizados para aferir a relação entre as modificações morfológicas e o grau de ativação dos neutrófilos em contato com os nanotubos de titânio.

Palavras-chave:Biomateriais. Titânio. Nanotubos. Plaquetas. Neutrófilos.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador