SUSCETIBILIDADE DE CANDIDAS OBTIDAS DE CANDIDEMIA DE ESCAPE A ANFOTERICINA B LIPOSSOMAL EM MODELO DE BIOFILME ORTOPÉDICO

GONÇALVES, Geiziane Aparecida1; TUON, Felipe Francisco Bondan2;

Resumo

Introdução:O desenvolvimento in vitro de biofilme em material ortopédico, é algo recente e não tem modelos definidos. Um estudo sobre a ação da anfotericina B desoxicolato no biofilme produzido pela Candida albicans, pode contribuir para um posicionamento terapêutico de pacientes com infecção devido à prótese, ou levar ao desenvolvimento de materiais ortopédicos impregnados com antifúngicos para evitar adesão dos mesmos.

Objetivo:Avaliar o desempenho da anfotericina B desoxicolato frente ao biofilme e células planctônicas de Candida albicans de escape. Quantificar a redução de biomassa total no biofilme, bem como as células viáveis após o tratamento com a anfotericina B desoxicolato em um modelo utilizando placa de 96 poços. Avaliar a estrutura arquitetônica dos biofilmes formados por Candida albicans em um parafuso ortopédico, por Microscopia Eletrônica de Varredura

Metodologia:Foram incluídas quatro amostras de Candidas albicans, isoladas de hemoculturas de pacientes com idade a partir de 18 anos, que estavam recebendo terapia antifúngica sistêmica, profilática ou terapêutica, internados no Complexo Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná (CHC-UFPR), no período entre janeiro de 2011 e dezembro de 2017. Inicialmente, a anfotericina B desoxicolato foi preparada e diluída nas concentrações de 0,25, 0,50, 1, 2, 4, 8 e 16 mg/L, para serem utilizadas na determinação da CIM (Concentração Inibitória Mínima) das células planctônicas, e MBEC (Concentração Mínima de Erradicação do Biofilme). Para estas determinações, as leveduras foram preparadas e cultivadas conforme as especificações de cada metodologia. Ainda foram realizados ensaios para quantificação de células viáveis após o tratamento com o antifúngico (MTT), e a quantificação de biomassa total no biofilme utilizando Cristal Violeta. Finalmente, com o objetivo de analisar a estrutura e a aderência do biofilme in vitro de Candidas albicans de escape em uma prótese, um parafuso ortopédico foi contaminado artificialmente, e observado em Microscópio Eletrônico de Varredura.

Resultados:Comparando os resultados da CIM e MBEC, observou-se que as concentrações necessárias para inibir as células do biofilme, devem ser muito superiores àquelas destinadas a inibir as células planctônicas correspondentes. Pelo MTT, foi possível notar uma redução da atividade metabólica das células do biofilme a partir da concentração de 2 mg/L. Através do ensaio por Cristal Violeta, foi possível verificar a não correspondência da redução da biomassa total no biofilme com a suscetibilidade da Candida albicans ao antifúngico. Finalmente, ao avaliar a estrutura e adesão do biofilme no parafuso ortopédico, foi possível confirmar a formação dos biofilmes estruturalmente organizados, com um grande número de hifas entrelaçadas, sob as condições de cultura aplicada

Conclusões:A avaliação in vitro da suscetibilidade dos biofilmes formados pelas quatro cepas de Candida albicans obtidas de candidemia de escape a anfotericina B desoxicolato, demonstrou que a droga pode ser uma possibilidade de escolha efetiva para o tratamento de infecções causadas por esses microrganismos nestas condições, podendo contribuir também para o desenvolvimento de próteses ortopédicas impregnadas com o antifúngico, como profilaxia para evitar a adesão e formação de biofilmes desses microrganismos.

Palavras-chave:Candida albicans. biofilme. candidemia de escape. anfotericina B. protese ortopedica

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador