SEGUIMENTO DE JESUS CRISTO: DA CRISE A COMPREENSÃO

MEDUNA, Rafael dos Santos1; ARTUSO, Vicente2;

Resumo

Introdução:O presente trabalho pretende refletir sobre a interrogação de Jesus “Quem dizem que eu sou?” (Mc 8,27). A pergunta provoca uma resposta necessária para a estruturação das relações, no fenômeno da compreensão para o seguimento de Jesus e que progride para o esclarecimento da réplica dada pelo discípulo: “Tu és Cristo” (Mc 8, 29). É certo que os discípulos passaram por um processo gradual, porém exigente, até que chegassem à compreensão. Mas o termo é que até em circunstancias onde só parecia haver perdas, mantiveram a fé, como elemento definitivo. Comparamos os evangelhos que narram os processos de conflitos até que chegassem à compreensão da missão de Cristo.

Objetivo:Identificar nos evangelhos as consequências do seguimento de Jesus: as provocações e exigências que o mesmo implica no desenvolvimento da maturidade das relações em vista do discipulado.

Metodologia:Foi adotado o método comparativo dos sinóticos com destaque em Marcos como fonte principal. A intertextualidade no próprio texto de Marcos foi constatada com base no vocabulário mais comum recorrente. Também o método da análise das reações diante de Jesus o que determina a maturidade do discípulo na sua resposta. 

Resultados:Estudamos sobre as etapas da caminhada dos discípulos com Jesus no Evangelho de Marcos. São elas: entusiasmo no início da caminhada (Mc 1,16); envio para a missão (Mc 6,13); crise de “não entender” (Mc 1,35-8,21); e convite a um novo começo (Mc 14,1-16,8). Em cada etapa percebeu-se uma mudança nas relações e reações dos discípulos. A questão central é colocada: como conhecer o mestre (Mc 8,29)? A pergunta de Jesus é fundamental: "E vós, quem dizeis que eu sou? Nos sinóticos, constatamos que Pedro replica à esta interrogação com pequenas diferenças. No evangelho de Marcos, Pedro objeta: Tu és Cristo (Mc 8,29); No evangelho de Lucas, Pedro responde: “O Cristo de Deus” (Lc 9,20) e no evangelho de Mateus: “Tu és o Cristo, o filho do Deus vivo” (Mt 16,16).A profissão de fé implica no seguimento e supõe dos discípulos firme disposição de perseverar até o fim correndo o risco da morte. A cruz faz parte do seguimento como consequência da resposta de fé.

Conclusões: Pesquisamos as passagens que falam das crises no seguimento e como os discípulos passaram a compreender o que significa seguir o mestre. A passagem da crise a compreensão acontece com o ensino de Jesus. O fato de falar claramente dos riscos do seguimento e da experiência da própria morte de cruz, resultou na mente dos discípulos uma mudança de mentalidade. Começaram a tomar consciência que seguir o Cristo significa assumir o projeto de uma entrega total, abnegada pela causa do reino. Tudo foi esclarecido na caminhada para Jerusalém. Alguns discípulos após a ressurreição de Cristo perseveraram e deram a vida pela causa, outros desistiram. O cristianismo se caracterizou como um evento fundado na fé, na experiência da caminhada e na profissão de fé madura: “Tu és Cristo”.

Palavras-chave:Seguimento. Jesus. Cristo. Crise. Compreensão

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador