A SOCIEDADE NA PERSPECTIVA DA ANTROPOLOGIA TEOLÓGICA

QUINTAS, Michel Eriton1; SOUZA, Waldir2;

Resumo

Introdução:Devido aos problemas acerca do papel das ciências e da biotecnociência e o desenvolvimento da técnica que pode criar nos sujeitos uma sensação de onipotência ou a vontade de querer brincar de Deus, surge a necessidade da reflexão sobre a sociedade e as especificidades antropológicas do ser humano.

Objetivo:O objetivo desta pesquisa, portanto, é proporcionar uma reflexão a partir da Bioética, da ciência e da espiritualidade e responder algumas questões fundamentais. Até que ponto pode ser negada a própria especificidade antropológica do ser humano? Como preservar e desenvolver suas dimensões (corpo, psique e espírito) neste grande contexto tecnocientífico/tecnológico? O espírito é uma contraposição à matéria? Como promover a humanidade sem extrapolações? Quais são as delimitações a favor da vida? Quem tem acesso a elas? O que esperar da Teologia, das outras ciências e da Bioética em relação às pessoas vulneráveis?

Metodologia:Para tanto, a análise bibliográfica incorpora diversos teóricos e passa por duas obras centrais: Gaudete et Exsultate, do Papa Francisco, e 44 Cartas do mundo líquido moderno, de Zygmunt Bauman. A pesquisa se deu por meio da metodologia dedutiva, qualitativa, descritiva e de revisão bibliográfica.

Resultados:Nesse sentido, é possível afirmar que a sociedade pós-moderna aflora tendências de individualismo, egoísmo e auto-centramento, além de questões radicalmente contrárias a compreensão da antropologia teológica. Esta, no entanto, pode e elabora seus argumentos com as doutrinas do Imago Dei e Capax Dei, com a constituição social dos indivíduos e a abertura natural à transcendência.

Conclusões:Assim, a crise que emerge desse contexto de instabilidades e inseguranças torna-se uma oportunidade de reflexão. E a teologia desenvolve um papel fundamental, pois recorda dimensões humanas importantes como a da vulnerabilidade e a compreensão de alteridade que reconhece o outro como diferente, intersubjetivo, relacional e, sobretudo, responsável. Além disso, impele os indivíduos a tomar parte no projeto de mais-vida em favor dos outros e dos marginalizados, traço essencial de toda reflexão ética, viabiliza uma compreensão integral dos sujeitos e serve de substrato à reflexão sobre as intervenções que atingem a vida em sua totalidade.

Palavras-chave:Antropologia Teológica. Pós-modernidade. Teologia Moral. Bioética

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador