A TEORIA HEGELIANA DA AUTOCONCIÊNCIA NO DEBATE CONTEMPORANEO

BONTORIN, Joice1; FERRAGUTO, Federico2;

Resumo

Introdução:A partir de um estudo da Fenomenologia do espirito de Hegel, e de uma reconstrução histórica da sua gênese e do seu contexto, o projeto visa discutir o conceito hegeliano de autoconsciência e coloca-lo em relação com o debate contemporâneo sobre a autoconsciência e, em especial, com a concepção desenvolvida por John McDowell no livro Mind and World (1996) e Having the world in wiew (209).

Objetivo:O projeto visou tematizar, após uma reconstrução histórica e teórica da ideia hegeliana de fenomenologia, o impacto da Fenomenologia no debate contemporâneo no que diz respeito à relação entre individuo e razão, tendo três objetivos específicos: 1. Reconstruir o contexto da formação da teoria hegeliana da autoconsciência e, em especial, do capitulo V da Fenomenologia do espirito: 2. Reconstruir a posição da teoria da hegeliana da autoconsciência nos desenvolvimentos do debate pós-kantiano; 3. Avaliar o impacto da teoria hegeliana da autoconsciência no debate contemporâneo, e em especial na interpretação da relação entre mente e mundo oferecida por J. McDowell.

Metodologia:A pesquisa foi realizada através da leitura e da interpretação de textos de literatura primaria e de literatura secundaria conforme os padrões estabelecidos pela pesquisa de constelação

Resultados:A pesquisa evou aos resultados a seguir: a. Reconstrução mais especifica da teoria da autoconsciência no âmbito da Fenomenologia do espirito de Hegel. O desenvolvimento do projeto mostrou a tematização hegeliana da autoconsciência como um momento fundamental na construção do texto, pois é na autoconsciência que aparece pela primeira vez o conceito de espirito entendido como correspondência do objeto ao conceito; b. Definição mais especifica do conceito hegeliano da relação entre autoconsciência e razão no âmbito da discussão pós-kantiana; c. Definição das potencialidades e limites da compreensão unitária da relação entre mente e mundo à luz da noção de espirito.

Conclusões:A definição unitaria da relação entre mente e mundo à luz da noção de espirito tem potencialidades, pois a concepção, típica de McDowell, permite resolver as dificuldades ligadas à separação entre pensamento e realidade, isto que levaria à impossibilidade de conseguir uma compreensão racional da própria realidade, assim como foi destacado já por Gottfried Bardili na obra Fundação da logica primeira de 1800. No entanto, esta abordagem apresenta limites também, pois do ponto de vista histórico-filosófico o pensamento de McDowell desconhece a contribuição que pensadores tais como Fichte ou Reinhold deram à formação de uma concepção da razão como razão ampla que permite pensar de modo orgânico a relação entre mente e mundo.

Palavras-chave: Hegel. McDowell. Autoconsciência. Fenomenologia. Filosofia transcendental.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador