CÂNCER DE COLO DE ÚTERO: ANÁLISE DA INCIDÊNCIA, DO COMPORTAMENTO PREVENTIVO E DA EFICÁCIA DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA NA ATENÇÃO A SAÚDE EM LONDRINA-PR NO ANO DE 2018.

LIMA, Giovana Arieta1; MALACHIAS, Vania Aparecida Terra2;

Resumo

Introdução:O câncer de colo de útero representa o terceiro tumor que mais acomete a população feminina no mundo, apesar de ser uma neoplasia com alto potencial de cura, é a quarta causa de morte de mulheres por câncer no Brasil.

Objetivo:Levantar a prevalência de mulheres diagnosticadas com lesão intraepitelial de alto-grau nas unidades básicas de saúde (UBS) de Londrina e traçar um perfil epidemiológico; avaliar a abrangência e eficácia das campanhas preventivas para o CCU oferecidas pelos serviços de saúde e, por fim, propor medidas de intervenção para cada região do município.

Metodologia:Trata-se de um estudo transversal que envolveu 33 mulheres com lesão precursora ou invasiva em colo uterino. Foram utilizadas informações contidas em revisão bibliográfica, dados do Sistema de Informação de Câncer (SISCAN), Saúde Web e Vigilância Epidemiológica, cálculos estatísticos da cobertura e razão de cobertura do município de Londrina e planilhas do Excel para organização dos dados. Foram realizadas entrevistas por meio de inquérito domiciliar em que se analisaram variáveis relacionadas aos dados demográficos, socioeconômicos, ginecológicos, ambientais e ao conhecimento e comportamento preventivo contra o câncer do colo do útero.

Resultados:As 33 participantes da pesquisa, tinham uma média de idade de 36 anos, a maioria era parda (45,5%), casada (55%), mães de 1-3 filhos (72,7%), com grau de instrução até o ensino fundamental completo (39,9%), renda de até 2 salários mínimos (39,4%), sedentárias (69,7%), com alteração de IMC (63%), não tabagistas (63,6%) e fazem uso de bebida alcóolica (63,7%), apresentaram menarca (72,7%) e sexarca (54,5) com 12-16 anos e fazem ou já fizeram uso de anticoncepcional oral durante a vida (75,8%). O nível de conhecimento sobre o câncer de colo de útero foi baixo, 45,5% não sabe qual o vírus causador do câncer de colo uterino e 36,4 não conhecem o meio de transmissão. 60% dessas mulheres relataram que não foram esclarecidas sobre seu diagnóstico e iniciaram o tratamento com dúvidas a respeito da doença. Apesar de quase 40% das entrevistadas classificarem como bom o fornecimento de informações e esclarecimento de dúvidas, quando questionadas com mais detalhes sobre o agente causador do CCU e seu principal modo de transmissão estas não sabiam responder. 45% relatou que não sabe qual o vírus relacionado com este tipo de câncer e 36% não tinha conhecimento que a atividade sexual é a principal via de transmissão. 30% não sabiam sobre a vacinação contra o HPV.

Conclusões:A informação sobre prevenção e a importância do exame citopatológico precisa ser mais bem divulgada no município de Londrina, já que como apontado nos resultados e discussão muitas mulheres desconhecem a patologia e seus principais fatores de risco. Portanto, é fundamental o estabelecimento de intervenções mais humanizadas e equitativas, o reconhecimento das mulheres como sujeitos ativos rumo à conquista de seu bem-estar através da informação correta e conhecimento preciso a cerca da doença.

Palavras-chave:Neoplasias do Colo do útero. Neoplasia Intraepitelial Cervical. Colo de Útero. Papillomaviridae. Promoção da Saúde

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador