POR QUE SER PROFESSOR? HISTÓRIAS DE VIDA DE PROFESSORES DA EDUCAÇÃO BÁSICA E PROFISSIONAL (ESCOLAS PRIVADAS)

SANTOS, Aline Ribas dos1; VIEIRA, Alboni Marisa Dudeque Pianovski2;

Resumo

Introdução:O projeto de pesquisa, “Histórias de vida: ser professor”, integra o projeto “História, memória e formação de professores”, da linha de pesquisa “História e Políticas da Educação” do Programa de Pós-Graduação – Mestrado e Doutorado - da Pontifícia Universidade Católica do Paraná. Investiga assim os processos de formação de professores de escolas públicas do Paraná, na perspectiva das (auto)biografias, obtidas por meio do relato de memória desses profissionais, o qual pode revelar as motivações pessoais e profissionais que os levaram a escolher a profissão, bem como, a construção das disposições para a docência.

Objetivo:A partir disso, o estudo busca conhecer a história de vida de professores que atuam em escolas de Educação Básica, incluindo as de educação profissional, públicas, no município de Curitiba, PR; investigar as motivações de cunho pessoal, político, social e econômico que levaram os docentes pesquisados a optarem pelo magistério como profissão; analisar a construção das disposições para a docência identificadas nos professores pesquisados; identificar as experiências educacionais de caráter pessoal consideradas relevantes pelos professores pesquisados.

Metodologia:Tratou-se de uma pesquisa bibliográfica e de campo. Além do mais, por ser uma pesquisa com abordagem qualitativa, considerou-se o aprofundamento das entrevistas mais importante do que o número delas. Na realização das entrevistas, observou-se os procedimentos indicados para a história oral (ALBERTI, 2004), com preenchimento do Termo de Consentimento Livre e Esclarecido para a cessão de direitos, a fim de utilização pela pesquisadora do conteúdo dos depoimentos, com assinatura dos entrevistados. Utilizou-se de um aporte teórico, no qual se destacam os autores: Bourdieu (2000), com a fundamentação teórica que melhor explica como o habitus se forma na relação entre sujeito, sociedade e os elementos que a mediam e Nóvoa (2013), que explica a importância do relato das histórias orais no contexto de vida dos professores.

Resultados:Foi possível perceber a relevância do estudo bibliográfico, no qual se pôde compreender o conceito de habitus, para, a partir disso, buscar a investigação de sua ação na vida e formação dos professores. Posteriormente, a bolsista teve a oportunidade de perguntar e ouvir sobre as histórias de vida dos dez professores entrevistados, de escolas públicas do Estado do Paraná, com relação a como eles se tornaram professores. Agindo assim, pôde compreender a importância de que esses relatos sejam ouvidos e divulgados, ao entender que o habitus individual, ou a formação da identidade de cada indivíduo, é concebido por meio de interações e influências, sejam elas econômicas, sociais, pessoais ou políticas, que ocorrem durante a vida dos sujeitos em um habitus (BOURDIEU, 2000) social, que precisa ser compartilhado, para garantir a sua existência.

Conclusões:Concluiu-se assim, necessário conhecer, e compreender, as histórias dos professores, na proporção de suas experiências, as quais os formam, mas também são formadas por eles. Por conseguinte, é preciso ter em vista que cada história é única, que levá-las ao conhecimento de outros pode ajudar na construção de um novo habitus, individual e social, em um campo que, para existir, precisa ser construído e reconstruído por meio dos agentes que se identificam com ele.

Palavras-chave: História. Memória. Formação de professores. Disposições para a docência. Escolas públicas.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador