LUXAÇÃO DOS OSSOS DO CARPO: ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA E DAS RADIOGRAFIAS INICIAIS

CAVALLI, Camila1; GIOSTRI, Giana Silveira2;

Resumo

Introdução:As luxações perilunares são consideradas lesões raras e graves, resultantes de trauma com alta energia sobre o punho. O estudo objetivou a análise epidemiológica dos pacientes que sofreram luxações perilunares, com ou sem fraturas associadas, submetidos a cirurgia durante o período de 3 anos e também, listar pontos importantes para a identificação radiográfica inicial dessas graves lesões

Objetivo:Foi efetuado um levantamento epidemiológico de pacientes com luxação dos ossos do carpo, associadas ou não a fraturas, submetidas a cirurgia no Hospital Universitário Cajuru (HUC) durante os últimos 4 anos e operadas pelo grupo de cirurgia da mão – para reconstrução ligamentar e fixação de eventuais fraturas – visando determinar o prognóstico e a prevalência dessa grave lesão em nosso serviço de emergência. Além disso, coube a análise radiografica desses pacientes.

Metodologia:Foram analisados prontuários de 38 pacientes operados, de janeiro de 2014 a janeiro de 2017, para o tratamento da luxação perilunar do carpo associada ou não a fraturas dos ossos do carpo ou do terço distal do rádio. Dados demográficos foram coletados, assim como detalhes do trauma. As variáveis quantitativas e qualitativas foram analisadas pelo programa computacional IBM SPSS Statistics v.20.0.

Resultados:Luxações perilunares ocorreram na totalidade em pacientes jovens do sexo masculino, vítimas de trauma com alta energia, sendo acidente com motocicleta o mecanismo de trauma mais recorrente (55,3%). A maioria das lesões foram fechadas (84,2%), sendo a lesão perilunar isolada menos comum (42,1%) do que associada à fraturas (57,9%). Todos os casos obtiveram êxito na redução da luxação durante o atendimento emergencial e o intervalo entre a emergência e a cirurgia definitiva foi de 0 a 13 dias. Foi mais utilizado o acesso dorsal (97,4%) para o reparo ligamentar com uso de suturas ósseas, âncoras, fios de Kirschner (FK) e parafusos de compressão sem cabeça. A retirada dos FK foi em média de 12 semanas.

Conclusões:Neste levantamento epidemiológico, a luxação perilunar fechada associada à fraturas foi mais frequente em homens, vitimas de acidentes com motocicleta, submetidos à redução na emergência seguida de tratamento cirúrgico precoce para reparo ligamentar por meio do acesso dorsal e eventual fixação das fraturas associadas.

Palavras-chave: Luxação. Ossos do carpo. Perilunar. Fratura-luxação. Transescafoperilunar.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador