AVALIAÇÃO DA PRECISÃO DE UM NOVO MOTOR ENDODÔNTICO COM LOCALIZADOR APICAL INTEGRADO

PRECOMA, Vitoria Massuchin1; KLEMZ, Adriane Antoniw 3; CRUZ, Alessandra Timponi Goes 3; PIASECKI, Lucila 3; NETO, Ulisses Xavier da Silva2;

Resumo

Introdução:Os localizadores apicais eletrônicos (LAEs) são atualmente o método mais confiável para determinar o comprimento de trabalho (CT) dos procedimentos endodônticos. Em comparação com o método radiográfico tradicional, o uso dos LAEs é mais rápido, não requer exposição à radiação e é mais preciso para localizar o forame radicular sob diferentes condições.Recentemente lançado, o Tri Auto ZX2 (J.Morita Corp., Kyoto, Japão) é uma nova versão de motor endodôntico elétrico sem fio com um localizador apical acoplado. A principal diferença em relação ao anterior, é a incorporação de novos movimentos e funções apicais. Além do “Continuous Rotation” (CR), o Tri Auto ZX2 também apresenta dois novos movimentos, o “Optimum Torque Reverse” (OTR) e o “Optimum Glide Path” (OGP). Ambos os movimentos apresentam uma combinação de diferentes cinemáticas que são acionadas pelo torque, com o objetivo de aumentar a segurança dos procedimentos de exploração com a Glide Path e modelagem, respectivamente. O OTR é um movimento combinado que permite a rotação contínua no sentido horário do instrumento, enquanto a tensão intra-canal é mínima e alterna para um movimento de 180º no sentido horário e 90º no sentido anti-horário quando o valor de torque predefinido for atingido pela força manual, exercida pelo operador, pela anatomia do canal radicular, pelo design ou corte do instrumento. Até o momento não foi encontrado nenhum estudo sobre a precisão da nova função do OAS nem sobre o efeito do movimento OTR no controle de toda a extensão apical.

Objetivo:Avaliar a eficácia do motor endodôntico Tri Auto ZX2 na manutenção do comprimento de trabalho (CT) ao utilizar as funções de ação apical “Auto Apical Reverse” (AAR) e “Optimum Apical Stop” (OAS) combinadas com os movimentos “Continuous Rotation” (CR) e “Optimum Torque Reverse” (OTR).

Metodologia:Sessenta e quatro pré-molares inferiores unirradiculados foram padronizados e divididos aleatoriamente em quatro grupos (n = 16). Cada grupo foi atribuído a uma combinação de um movimento de rotação (CR ou OTR) e uma função de ação apical (AAR ou OAS). Os dentes foram inseridos em alginato e irrigados com hipoclorito de sódio. Os canais radiculares foram preparados com instrumentos ProTaper até o F3, utilizando o início automático do motor (300 rpm) e as funções de controle apical configuradas na marca “0,5". O comprimento real pós-instrumentação (CRD2) foi medido, introduzindo uma lima de 15K até o forame apical. As diferenças entre o CT e o CRD2 de cada grupo foram calculadas e atribuídas como negativas para aquém ou positivas quando além do forame apical. A distribuição e a porcentagem de diferenças entre CT e CRD2 obtidas por grupos foram comparadas.

Resultados:Não houve diferença no CT médio em relação ao movimento, tipo de controle apical ou suas combinações (ANOVA p> 0,05). O teste qui-quadrado não encontrou diferença significativa entre os grupos quanto a distribuição e a porcentagem de diferenças entre CT e CRD2 foram comparadas (p> 0,05).

Conclusões:Todas as combinações de movimento e funções de controle apical do Tri Auto ZX2 forneceram um limite apical adequado de preparação in vitro, sem ocorrência de sobre instrumentação.

Palavras-chave:localizador apical eletrônico. limite apical. auto apical reverse. optimum torque reverse. Tri auto ZX

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador