RELAÇÃO ENTRE O CONSUMO ALIMENTAR DE GESTANTES E CARACTERÍSTICAS SOCIOECONÔMICAS E DEMOGRÁFICAS

SANTOS, Fernanda Vieira dos1; AULER, Flavia2;

Resumo

Introdução:Estudar as alterações nutricionais e metabólicas que ocorrem durante a gestação é fundamental para entender a influência deste ambiente intrauterino no desenvolvimento normal do bebê e na influência na vida adulta. As gestantes são suscetíveis à inadequação nutricional, pelo aumento da demanda de energia, macro e micronutrientes a fim de se garantir a saúde materno-fetal. Investigar a influência de características socioeconômicas e demográficas no consumo alimentar de gestantes é importante para aprimorar a qualidade do atendimento e das orientações fornecidas para fortalecer o planejamento e desenvolvimento saudável da gravidez, minimizando riscos de comprometimento nutricional materno e perinatal.

Objetivo:Determinar a participação calórica do consumo de alimentos de acordo com o processamento industrial por gestantes de um estudo de coorte de saúde materno infantil de Curitiba, denominado de COOSMIC, levantar o perfil socioeconômico e demográfico destas gestantes e por fim, estabelecer a relação entre o consumo alimentar e as características socioeconômicas e demográficas.

Metodologia:Trata-se de um estudo transversal, descritivo com abordagem quantitativa, realizado no período de agosto de 2018 a junho de 2019, na Unidade de Saúde Mãe Curitibana. A população inicial foi de 71 gestantes, porém a amostra analisada para consumo alimentar contou com 22 gestantes. Os dados sociodemográficos foram obtidos através de entrevista guiada por um questionário que continha informações sobre renda per capita e os dados do consumo alimentar foi um Questionário Quantitativo de Frequência Alimentar (QQFA), validado por Ribeiro e Cardoso (2002), sendo divididos em alimentos .

Resultados:A amostra inicial foi de 71 participantes da pesquisa com idade entre 19 e 47 anos, sendo que a maioria (59%) eram brancas e 73% estavam casadas ou viviam com companheiro. O desemprego aparece relatado por 32% das mulheres e 53% referem que a renda total do domicílio fica acima de dois salários mínimos, dando classificação “média renda”. Na análise do consumo alimentar (n+22), os alimentos in natura ou minimamente processados e ingredientes culinários processados tiveram participação calórica de 55,2%, sem mostrar relação com o status econômico.

Conclusões:Os achados do estudo não conseguem estabelecer a relação entre o consumo alimentar de gestantes de acordo com o nível de processamento de alimentos e as características econômicas, mas chama a atenção para a quantidade de alimentos ultra processados e processados que estas mulheres têm ingerido em um período tão especial das suas vidas.

Palavras-chave:Consumo Alimentar. Gestantes. Estudo de coorte. Fatores Socioeconômicos

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador