O DISCURSO DA MÍDIA ONLINE AO TRATAR CASOS DE FEMINICÍDIO NO BRASIL

ABDALLA, Stephanie Graeml1; MANASSES, Miguel Angelo2;

Resumo

Introdução:A lei n°13104/2015 caracteriza um crime como feminicídio em situações de violência doméstica e familiar; menosprezo ou discriminação à condição de mulher. De acordo com o Atlas da Violência 2018, 4.645 mulheres foram assassinadas no país; taxa que equivale a 4,5 casos para cada 100 mil brasileiras.

Objetivo:Analisar o discurso do jornalismo online ao tratar os casos de feminicídio no Brasil, desde a implantação da lei, além de estabelecer a diferença de abordagem do tema entre a mídia tradicional e a independente, por meio da análise dos portais Estadão e Ponte.

Metodologia:Análise de discurso dos portais Estadão e Ponte, com base em Caragnato e Mutti (2006), Ramalho e Resende (2004) e Wodak (2001). Em ambos os portais, foram selecionadas todas as matérias do gênero informativo que pautassem o tema feminicídio desde o dia 9 de março de 2015 até a mesma data em 2019. Foram encontradas 415 matérias no Estadão e 10 no Ponte, todas elas contabilizadas dentro das suas respectivas editorias e divididas entre os anos nos quais foram publicadas. Além disso, em cada uma das matérias foram analisados título, gravata, temática, papel dado à vítima e ao agressor, descrição dos personagens e do crime.

Resultados:O discurso da mídia online brasileira não é uniforme ao tratar os casos de feminicídio no Brasil. Existe uma grande diferença de abordagem entre os veículos jornalísticos tradicionais e independentes; enquanto a mídia hegemônica consegue cumprir de maneira mais eficaz com o quesito quantidade de publicações em relação ao número de casos de feminicídio no país, a mídia alternativa aprofunda-se mais nas discussões sobre o tema, provocando mais reflexões.

Conclusões:Ao jornalismo cabe a necessidade de se atentar à forma de abordagem dos casos de feminicídio, preocupando-se, ao descrever o crime, com a visibilidade dada a vítima com relação ao agressor e, além disso, preocupando-se em se adentrar mais na discussão referente às causas desse tipo de situação. A futuros pesquisadores, destaca-se a importância de estudar não apenas o meio, como é o caso dessa pesquisa, mas também quem o produz e quem o consome, pois, a população como um todo deve se atentar aos crimes de gênero para ser capaz de combatê-los.

Palavras-chave: Feminicídio. Jornalismo tradicional. Jornalismo independente. Jornalismo online.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador