USO DE DISPOSITIVOS INALATÓRIOS EM PACIENTES PORTADORES DE DPOC

SCHULTZ, Amanda Tremel1; BORGES, Aline Vaz 3; GOMES, Camila Joviano 3; BANHOLZER, Eric Grieger 3; SALMORIA, Phaolla Amabily 3; MOURA, Victória 3; STORRER, Karin Mueller2;

Resumo

Introdução:Os distúrbios respiratórios crônicos (DRC) estão entre as principais causas de doença e de morte em todo o mundo. As doenças pulmonares obstrutivas são ocasionadas, em grande parte, pela exposição a gases e partículas nocivas que provocam nos pulmões uma resposta inflamatória, que, quando exacerbada, causará alterações estruturais, associadas a uma redução do fluxo aéreo expiratório, ocasionada pelo aumento da resistência nas vias aéreas e/ou perda da retração elástica. Essas características são encontradas na Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) que, além dessas alterações, pode apresentar alguns efeitos extra- pulmonares significativos, assim como importantes comorbidades que podem contribuir para a severidade da doença. Os medicamentos fornecidos por inaladores são a base do tratamento para a DPOC, mas, para que esses medicamentos alcancem sua finalidade é indispensável que sejam manejados de uma maneira adequada. Porém, aproximadamente 90% dos usuários cometem erros durante o uso dos dispositivos, fato esse que acarreta em menores taxas de controle da doença.

Objetivo:Identificar os principais erros cometidos pelos pacientes durante o uso dos dispositivos inalatórios. Instruir, através de um feedback e por meio de uma demonstração física, quanto ao manejo correto desses dispositivos.

Metodologia:Primeiramente, identificou-se a necessidade desse trabalho baseado em revisões literárias, livros e artigos científicos e então, tendo em vista sua coerência, foi elaborado um questionário objetivo, respaldado em um checklist observacional, avaliando cada etapa no uso dos inaladores. Para melhor validação dos resultados, todos os avaliadores foram submetidos a uma capacitação para posterior aplicação dos questionários. O mesmo foi aplicado nos pacientes que faziam uso dos dispositivos inalatórios e consultavam-se no Ambulatório Acadêmico do Hospital Nossa Senhora da Luz, na cidade de Curitiba/PR.

Resultados:Foram avaliados 54 pacientes usuários de dispositivos inalatórios, sendo que 27,8% (n=15) eram portadores de DPOC. Ao analisar o perfil de cada paciente, 12 tinham mais que 60 anos (80%) e 8 eram do sexo masculino (53,3%). Analisando as etapas, verificou-se que a maior dificuldade dos pacientes está durante a expiração profunda antes de posicionar o dispositivo entre os lábios, onde 72,2% (n=39) dos pacientes cometeram erros. Apenas 6 pacientes (11,2%) concluíram corretamente todas as etapas do uso e 1 usuário de inalador pressurizado não acertou qualquer etapa. Já comparando os dispositivos, constatamos que o inalatório pressurizado gera maior dificuldade durante o uso, uma vez que teve apenas 1 paciente que não cometeu nenhum erro durante o uso, enquanto o dispositivo em pó obteve 5 (16,66%).

Conclusões:Ao final desse trabalho conclui-se o que grande parte da literatura afirma. Dos pacientes portadores de distúrbios respiratórios crônicos que utilizam medicamentos fornecidos por dispositivos inalatórios, apenas uma pequena amostra faz uso correto desses dispositivos. Além disso, durante as instruções e demonstrações da melhor forma de uso dos inaladores, ficou claro que a maior parte dos pacientes não receberam um preparo adequado dos profissionais da saúde, reafirmando a necessidade de ensinar aos usuários e persistir quanto ao uso adequado dos dispositivos inalatórios.

Palavras-chave:COPD therapy. Inhalation devices. Use of inhalation devices

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador