PREVALÊNCIA DA DESNUTRIÇÃO ENERGÉTICO-PROTEICA AVALIADA POR CRITÉRIOS DA ISRNM EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM DIÁLISE PERITONEAL

ARRUDA, Maria Vithória Cordeiro1; STEFANSKI, Cristina Techy Roth2;

Resumo

Introdução:O decréscimo de estoques de energia e proteína é uma síndrome que acomete os pacientes com Doença Renal Crônica (DRC), principalmente aqueles que estão no quinto estágio da doença (Ikizler et al., 2013). A depleção energético proteica (Protein Energy Wasting – PEW) é o termo determinado pela Sociedade Internacional de Nutrição Renal e Metabolismo (ISRNM) para designar essas perdas como uma síndrome.

Objetivo:Determinar a prevalência da depleção energética proteica para pacientes renais crônicos que utilizaram como terapia substitutiva a diálise peritoneal.

Metodologia:Foram recrutados 57 pacientes em diálise peritoneal há pelo menos 3 meses, acima de 18 anos, de ambos os sexos em duas instituições em Curitiba: Santa Casa de Misericórdia de Curitiba – PR e Instituto Rim do Paraná. Desses indivíduos foram coletados dados clínicos (idade, presença de comorbidades, medicações utilizadas, tempo de permanência em diálise peritoneal ou outra modalidade dialítica, causa da DRC, uso de suplementos alimentares e/ou estimuladores de apetite, prática de atividade física), bioquímicos (creatinina e albumina), antropométricos (peso e altura para o cálculo do IMC, prega cutâneas tricipital, biciptal, subescapular e supra ilíaca, circunferência do braço, para cálculo das medidas antropométricas derivadas como: circunferência muscular do braço, porcentagem de gordura corporal, e massa corporal magra) e de ingestão calórico-proteica (recordatório de 24h), em tres tempos diferentes (T0, T3 e T6). Com esses dados foram avaliados e classificados os pacientes em score 4, 3, 2, 1 e 0, a partir dos critérios determinados pela Sociedade Internacional de Nutrição Renal e Metabolismo (ISRNM) para diagnóstico de PEW.

Resultados:Observa-se que a prevalência média de PEW dos três tempos é de 98,2% (considerando ingestão calórica) e 93,1% (sem considerar a ingestão calórica). Nessa circunstância, analisando o método de prevalência clássico, ou seja, com a ingestão calórica, em média 24,1% possuem depleção severa, 42,8% possuem depleção moderada e 31,2% possuem depleção leve, sendo apenas 1,8% considerados em estado nutricional normal nessa amostra de pacientes renais crônicos em diálise peritoneal.

Conclusões:Com esses dados foi possível concluir que os doentes renais crônicos em diálise peritoneal são pacientes com alta prevalência de depleção energético proteica, demonstrando a carência nutricional decorrente das consequências da doença, como a própria diálise peritoneal.

Palavras-chave:Doença Renal Crônica. Diálise Peritoneal. PEW. Estado Nutricional

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador