ENRIQUECIMENTO AMBIENTAL DE COELHOS ATRAVÉS DA UTILIZAÇÃO DE PRODUTOS COMERCIAIS

PEGORARA, Martina Camargo1; STANGE, Mariah Gomes 3; ROTTA, Isabella Salmoria 3; WEBER, Saulo Henrique 3; BORGES, Tâmara Duarte 3; COSTA, Leandro Batista2;

Resumo

Introdução:A cunicultura pet vem crescendo nos últimos anos, assim como a preocupação com o bem-estar dos animais. Sabe-se que o enriquecimento ambiental é um importante fator quando se fala de bem-estar, porém para coelhos pet, ainda não há muitos enriquecimentos específicos.

Objetivo:O objetivo do presente estudo foi avaliar a possibilidade de adaptação de objetos de enriquecimento ambiental de cães e gatos para coelhos pet. A partir da observação comportamental dos coelhos foi avaliado a intensidade de interação dos animais com os seguintes objetos de enriquecimento ambiental: a) toca de papelão para gatos, b) mordedor recheável com adição de feno para cães e c) bola maciça com aroma artificial de banana para cães.

Metodologia:Foram avaliados 24 coelhos, adultos, da raça Nova Zelândia Branco, machos e femêas, sendo que 6 animais receberam o tratamento toca de papelão, 6 o mordedor recheável com adição de feno, 6 a bola maciça com aroma artificial de banana e 6 não receberam nenhum objeto, formando o grupo controle. Os animais foram avaliados por 28 dias e cada um foi avaliado por 3 minutos, começando as avaliações sempre as 14 horas e 30 minutos. Os coelhos estavam alojados em gaiolas de arame suspensas e foram blocados de acordo com o peso inicial. Foram efetuados registros dos seguintes comportamentos: comendo (ração ou feno), bebendo água, cecotrofia, locomoção, autolimpeza, alongando-se, comportamento estereotipado (andar em círculo, morder estruturas, cavar grades), interação com o enriquecimento (morder ou cheirar) e qual o estado em que realizavam as ações (em pé, sentado, deitado esternal ou deitado esticado). Foram registrados também o grau de destruição dos objetos. Para a avaliação dos resultados foi utilizado os testes de KrusKal-Wallis e Mann-Whitney, adotando p<0,05.

Resultados:Foi observado que os comportamentos comer ração, comer feno, cecotrofia, locomoção, autolimpeza, alongar-se, estereotipias, interação com o objeto cheirar e o estado de ficar em pé não se diferiram entre os diferentes tratamentos (p>0,05). No entanto, a ação beber água foi mais frequente no grupo toca de papelão; a interação com o objeto morder, e os estados deitado esternal e sentado foram mais frequentes no grupo mordedor recheável; o estado deitado esticado foi mais frequente no grupo bola maciça, e o grau de destruição dos objetos foi maior no grupo toca de papelão.

Conclusões:Conclui-se que os animais se adaptaram bem aos objetos de enriquecimento ambiental de cães e gatos, não sendo observado nenhum comportamento anormal, porém outros estudos devem ser realizados para avaliar a intensidade de interação dos animais com os diferentes tratamentos, que seria melhor observada no período da manhã e noite, períodos de maior atividade dos coelhos.

Palavras-chave:Enriquecimento Ambiental. Bem-Estar. Coelhos. Comportamento.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador