O CONCEITO DE PESSOA EM SANTO AGOSTINHO E MAURICE BLONDEL

ROSA, Emanuel Pereira1; PEREIRA, Jose Aparecido2;

Resumo

Introdução:A partir da perspectiva contínua da Filosofia Cristã em sublinhar a importância do homem, enquanto ser único, no decorrer dos séculos, a presente pesquisa encontrou no pensamento contemporâneo de Maurice Blondel (1861-1949), uma boa oportunidade para trazer à sociedade atual uma reflexão antropológica. Em Santo Agostinho, constatou-se que as criaturas possuem seus determinados níveis de dignidade na ordem da criação, mas nenhuma equipara-se ao valor inestimável do homem em sua totalidade. Blondel, em sua perspectiva da ação confere ao homem a sede de eternidade, que de modo verdadeiro se encontra na ânsia humana de algo que não passa. Para o pensamento blondeliano, esse algo é a hipótese do sobrenatural.

Objetivo:Quais são os componentes que caracterizam o tema do homem em Agostinho e Blondel? Em relação a esse assunto, em que esses pensadores se aproximam (semelhanças) e se distanciam (diferenças)? Responder a essas e outras questões constitui o objetivo fundamental dessa pesquisa.

Metodologia:A metodologia utilizada foi de leitura, análise e interpretação dos textos de Agostinho e dos seus estudiosos. O levantamento bibliográfico permitiu a constatação da existência de um âmbito de pesquisa que busca compreender o caráter metafísico e antropológico do homem nos referidos filósofos. Por isso, encontrou-se um acurado acervo sobre o assunto. O trabalho de pesquisa não se bastou em ler e fichar textos, mas verdadeiramente intentar uma reflexão acerca da questão.

Resultados:Com base nesse trabalho alguns pontos de semelhanças entre os pensadores em estudo se tornaram evidentes após a pesquisa. O reconhecer no universo a orquestração que vem de Deus é claro em Agostinho, quando ao compreender as duas cidades, confere a terrestre o caminho de ascensão à celeste. Para Blondel, o destino humano não é compreendido de forma contraditória, mas aparentemente converge ao que foi proposto por Agostinho, isto é, a humanidade só tem sentido quando voltada para sua finalidade, encontrada definitivamente em Deus, o Único Necessário.

Conclusões:Considera-se que, após as etapas terem sido realizadas, o projeto conseguiu apresentar o Blondelismo como uma forma atual de compreensão acerca do homem. Isso, certamente reafirmou a inferência primeira de que a filosofia cristã poderia falar ao homem do tempo de Blondel, como respondeu às questões iniciais do próprio cristianismo e suas demandas. O conceito de homem, como ficou evidente, não pode ser compreendido em ambas as teorias, se não partir do ponto crucial de que o Eterno Agir, o Único Necessário habitou no tempo, afim de fazer do tempo morada para eternidade.

Palavras-chave:Homem. Destino humano. Transcendência. Mistério. Ação

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador