COGNIÇÃO EM PACIENTES COM DIABETES TIPO 2 E SEUS FATORES DE RISCO

PAIVA, Clara Inacio de1; GOUVEIA, Aline Maciel 3; SILVA, Luany Fraga da 3; FARIA, Ana Cristina Ravazzani de Almeida2;

Resumo

Introdução:O Diabetes Mellitus (DM), assim como a demência, são doenças de alta prevalência, incidência e morbimortalidade. Pacientes com DM 2 têm 50% maior de risco de ter demência, o que indica que o declínio cognitivo (DC) possa ser considerado mais uma complicação do diabetes.

Objetivo:Avaliar e quantificar a prevalência de Disfunções cognitivas em uma população com DM 2, bem como os fatores de risco clínicos e laboratoriais associados.

Metodologia:Foi um estudo observacional transversal, realizado com pacientes do ambulatório do Hospital Nossa Senhora da Luz, Curitiba-PR, onde foram incluídos adultos com DM 2, de ambos os sexos, recrutados aleatoriamente. Indivíduos analfabetos, com deficiência visual e/ou auditiva, com histórico de doenças neurológicas prévias e/ou em uso de medicamentos que alteram a cognição foram excluídos do estudo. Foram realizados questionários sobre a doença, exame físico, testes cognitivos (Mini Exame do Estado Mental (MEEM), Teste de Fluência Verbal Semântica, de Trilhas versão A e B e de Memória) e de depressão (questionário PHQ9). Os dados de prontuário médico foram usados para confirmação da história mórbida pregressa e do uso de medicamentos e para coleta dos exames laboratoriais. As variáveis categóricas foram descritas em valores absolutos e porcentagens, e as quantitativas em médias e desvio padrão ou mediana e intervalo interquartil. Fez-se correlação de Spearman e análise de regressão linear dos testes cognitivos com todas as variáveis clínicas e laboratoriais. O software utilizado foi o SPSS versão 22 (IBP Corporation, Armonk, NY). Os valores de p com nível de significância foram <0,05.

Resultados:Participaram 187 pacientes do estudo, sendo 117 (62,6%) do sexo feminino e 70 (37,4%) do sexo masculino. A média da idade foi de 61,51 (±10,23) anos e do tempo de diabetes foi de 13,5 (±9,9) anos. Em análise regressão linear, foi observada correlação positiva entre o tempo de DM (meses) e os testes TMT A (R = 0,497, p=0,036) e TMT B (R = 0,613, p=0,000), mesmo quando ajustados para idade, escolaridade, circunferência abdominal e histórico de hipoglicemia severa. Outras variáveis não tiveram uma correlação com os testes cognitivos nesta amostra

Conclusões:O tempo de diabetes tem impacto negativo na função executiva dos pacientes com DM 2, o que pode ter um impacto negativo no auto cuidado nesta população. Por não haver um tratamento específico para disfunções cognitivas até o momento, é de suma importância a necessidade de prevenção do diabetes na população geral, postergando seu aparecimento o quanto possível para reduzir o impacto desta doença na cognição da população.

Palavras-chave:Declínio cognitivo. Diabetes. Demência

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador