ESTUDO DE ASSOCIAÇÃO ENTRE COGNIÇÃO E DOENÇA RENAL CRÔNICA EM PACIENTES ATENDIDOS PELO AMBULATÓRIO DE NEFROLOGIA DO SUS DE UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO DE CURITIBA

FIGUEIREDO, Marianna Cavina de1; DROZINO, André Kamei 3; BUENO, Brunna 3; LUZ, Giovana Zonkowski da 3; SILVA, Irenice Cairo da 3; FRANCO, Joceline2;

Resumo

Introdução:A Doença Renal Crônica (DRC) é considerada um problema de saúde público global. O déficit cognitivo é comum em pacientes com DRC, principalmente entre os dialíticos. Isso pode ser explicado pela semelhança no leito vascular do rim e do cérebro. Os dois compartilham riscos cardiovasculares como hipertensão, hipercolesterolemia, Diabetes Mellitus e tabagismo. Além disso, fatores demográficos, clínicos, vasculares e do próprio procedimento da diálise, tanto peritoneal como hemodiálise, contribuem para tal alteração. O Transtorno Depressivo Maior é outra comorbidade prevalente nessa população. Por isso, é essencial conhecer o perfil epidemiológico dos doentes renais crônicos, a fim de explorar possíveis ações preventivas e tratamento adequados.

Objetivo:Conhecer, analisar e relacionar a função cognitiva e a escala de depressão com a função renal

Metodologia:Estudo observacional transversal incluindo os pacientes atendidos pelo ambulatório de Nefrologia de um Hospital Universitário de Curitiba. Durante a coleta de dados, foi realizado um questionário social, um exame físico resumido, aplicados os testes de função cognitiva (Mini Exame do Estado Mental (MEEM), fluência verbal, Trail Making Test A e B, memória imediata, tardia e de reconhecimento) e de triagem de depressão (PHQ-9). Posteriormente, realizada análise de prontuários e análise estatística.

Resultados:Amostra total de 158 pacientes, sendo que 86 foram considerados válidos (19 sem interesse em participar, 14 com critérios de exclusão, 7 desistências, 4 com demência prévia pelo MEEM, 7 pacientes sem registros no pronturário, 21 sem dados de creatinina). Quando relacionado com a taxa de filtração glomerular (TFG), estimada pela CKD-EPI, o teste de memória imediata e o PHQ-9 obtiveram significância estatística (p=0,025 e p=0,040, respectivamente). Os outros testes não apresentaram valores significativos quando comparados com a função renal.

Conclusões:Divergindo da literatura, não houve correlação entre cognição com DRC, provavelmente pelo pequeno número de participantes na amostra. A relação entre depressão e função renal confirmada, sendo que quanto menor a TFG, maior a pontuação do PHQ-9.

Palavras-chave:Insuficiência Renal Crônica. Déficit Cognitivo. Depressão. Disfunção Renal.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador