PRODUÇÃO DE COGUMELO SHIMEJI (PLEROTUS OSTREATUS) EM DIFERENTES SUBSTRATOS

CECILIO, Oilen1; MASCARO, Marcia de Holanda Nozaki2;

Resumo

Introdução:Os cogumelos apresentam-se com diversidade de formas, cores o que os torna atrativos para a vasta utilização na gastronomia por seu sabor e valor nutricional, pois além de serem alimentos pouco calóricos; são fontes de nutrientes como, fósforo, ferro, e vitaminas, incluindo tiamina, riboflavina, ascórbico ácido, ergosterol, niacina e nove aminoácidos essenciais para humanos.

Objetivo:Avaliar o desempenho de diferentes substratos para o cultivo de Shimeji (Pleurotus ostreatus), visando a maior produtividade.

Metodologia:O experimento foi conduzido em ambiente controlado, na Estação Experimental da Pontifícia Universidade Católica do Paraná – Campus Toledo. O delineamento experimental adotado foi inteiramente casualizado, constituído por 5 diferentes substratos: palha de Brachiaria decumbens, bagaço de cana, silagem de milho, borra de café e serragem com 5 repetições cada. Cada parcela experimental foi constituída por um recipiente. O fungo Pleurotus ostretus foi multiplicado inicialmente em placas de Petri contendo o meio de cultivo BDA (Batata dextrose ágar), incubados a 250C até obtenção de crescimento micelial do fungo por toda a extensão da placa. Posteriormente, foi utilizado a técnica chinesa de Jun-Cao (Fungo-gramínea), adaptada pela EMBRAPA (2005) para a implantação no Brasil. Após todo o processo de preparo e esterilização os substratos foram acondicionados em ambiente controlado por 40 dias a 28ºC em ambiente sem luz. Após esse período, reduziu-se a temperatura para 24º C por 14 dias para indução dos corpos de frutificação e depois levados a uma sala em ambiente natural. Avaliou-se o desenvolvimento micelial dos mesmos, além da massa e eficiência biológica. A massa foi obtida através da pesagem após a colheita. Os dados foram submetidos a análise de variância ao nível de 5% pelo teste de Tukey.

Resultados:O desenvolvimento micelial do Pleurotus foi superior quando submetido a um ambiente totalmente escuro. Referente aos substratos, o bagaço de cana em pó apresentou médias superiores em massa e eficiência biológica.

Conclusões:Pode-se concluir que, o bagaço de cana em pó pode ser uma alternativa de produção de Plerotus ostretus, no que se refere a obtenção de maior massa, reforçando as características da cana de açúcar como substrato principal ou suplementar nos elaborados para cultivo de cogumelos.

Palavras-chave:Pleurotus ostreatus. Produção de cogumelo. Eficiência biológica. Crescimento micelial.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador