AUTOFAGIA E RESISTÊNCIA À APOPTOSE INDUZIDA PELA SALIVA DO CARRAPATO AMBLYOMMA SCULPTUM

THOMAZINI, Mateus Eduardo de Oliveira1; ESPOSITO, Selene Elifio2;

Resumo

Introdução:O Neuroblastoma é um tipo de tumor pediátrico que representa sozinho 6% de todos os casos de câncer em crianças e 15% das mortes causadas por carcinomas infantis. Seu quadro pode variar desde a regressão espontânea até uma manifestação extremamente agressiva da doença, podendo apresentar resistência à terapia. Quando diagnosticado em pacientes com mais de um ano de idade, o índice de sobrevivência cai para cerca de 50%, nos casos de alto risco, e os indivíduos que sobrevivem comumente desenvolvem sérias sequelas do tratamento, o que justifica a necessidade de estudo sobre tratamentos alternativos para a doença. Estudos com a saliva do carrapato Amblyomma sculptum têm mostrado que ela possui uma vasta gama de moléculas com propriedades que podem induzir células à apoptose, indicando seu grande potencial como fonte de compostos terapêuticos. Apesar de existirem estudos, a saliva de carrapatos ainda é pouco explorada, mas surge como uma fonte de moléculas com potencial antitumoral. Objetivo: O objetivo geral deste projeto foi avaliar o envolvimento da autofagia na resistência de células de neuroblastoma à apoptose induzida pela saliva bruta de A. sculptum in vitro.

Objetivo:O objetivo geral deste projeto foi avaliar o envolvimento da autofagia na resistência de células de neuroblastoma à apoptose induzida pela saliva bruta de A. sculptum in vitro.

Metodologia:Antes do uso da saliva, que não é abundante, foram realizados ensaios de viabilidade celular pelo método do azul de metileno após submeter as células à diferentes condições de estresse. Como controles as células foram tratadas somente com o meio de cultura, HBSS e Topotecan. Essa etapa inicial serviu como triagem para selecionar as linhagens de neuroblastoma para o estudo, considerando seu grau de resistência aos tratamentos. A marcação celular com o corante fluorescente Laranja de Acridina foi analisado por citometria de fluxo e permite analisar a formação de vesículas acídicas, etapa inicial da autofagia. A análise estatística consistiu em ANOVA e teste de Tukey para análise entre grupos e o teste de Dunnett para as comparações com o controle sem tratamento, pelo programa Prisma 7.0.0.

Resultados:Os ensaios de viabilidade mostraram que ambas as linhagens de neuroblastoma, SK-N-SH e SH-SY5Y, mostraram algum grau de resistência após 48h em hipóxia (1% de O2) e privação de soro (0,5% SFB). O teste de Laranja de Acridina mostrou que apenas na linhagem SK-N-SH o índice de vesículas acídicas detectadas foi significativamente maior que nas células não tratadas no tratamento com a saliva (p<0,01). De acordo com a literatura, a saliva de carrapato possui a capacidade de inibir a autofagia em alguns casos

Conclusões:Verifica-se, assim, que as linhagens estudadas apresentem um perfil de resposta muito diferenciado. Esse padrão já foi observado em trabalhos anteriores em que a taxa de apoptose foi também diferente entre elas. Por fim, vale salientar que o estudo de vesículas acídicas nos oferece apenas uma sugestão da ocorrência do processo autofágico. Outras metodologias devem ser aplicadas para a confirmação deste fenômeno.

Palavras-chave:Neuroblastoma. Saliva. Carrapato. Autofagia

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador