SIALOMETRIA E SIALOQUÍMICA DE USUÁRIOS DE CRACK E ÁLCOOL.

NASCIMENTO, Júlia Milena Carvalho1; BONACIN, Bruna Guedes 3; BARBOSA, Maria Carolina Maciel 3; SANTOS, Érica Maria dos 3; PENTEADO, Carlos Antônio Schaffer 3; CHAIBEN, Cassiano Lima 3; BATISTA, Thiago Beltrami Dias 3; ALANIS, Luciana Reis Azevedo2;

Resumo

Introdução:As proteínas presentes na saliva são importantes para a proteção das estruturas bucais. O uso de substâncias ilícitas, como álcool e crack, pode alterar a concentração de proteínas salivares e o fluxo da saliva. Estudos para analisar a sialoquímica e a sialometria de usuários crônicos de cocaína/crack e álcool podem auxiliar no entendimento das alterações salivares causadas pelo abuso dessas substâncias.

Objetivo:Avaliar o fluxo salivar estimulado e quantificar as concentrações salivares de glicose, ácido úrico, ureia, aspartato aminotransferase, alanina aminotransferase, gama glutamil transferase, fósforo e cálcio, em usuários de crack e etilistas crônicos.

Metodologia:Os participantes do estudo foram selecionados de acordo com os seguintes critérios de inclusão: sexo masculino, maiores de 18 anos, internados no Instituto de Pesquisa e Tratamento de Alcoolismo (IPTA, Campo Largo/PR) que foram divididos em dois grupos, sendo um composto por dependentes de crack e outro por dependentes de álcool. Os indivíduos foram submetidos a uma entrevista com perguntas abertas e fechadas referentes a características sócio-econômico-demográficas e comportamento e padrão de uso do crack, álcool e outras drogas. Em seguida, passaram por uma avaliação odontológica e quaisquer alterações de mucosa bucal presentes na data do exame foram registradas. A coleta de saliva foi feita através da estimulação mecânica por mastigação de um pedaço de dique de borracha por seis minutos, sendo toda a saliva excretada após o primeiro minuto depositada em um frasco. A sialoquímica se deu através de testes bioquímicos para as análises das concentrações salivares de: glicose, ácido úrico, ureia, aspartato aminotransferase, alanina aminotransferase, gama glutamil transferase, fósforo e cálcio. As análises bioquímicas foram realizadas por meio da leitura das absorbâncias com o auxílio de um espectrofotômetro.

Resultados:Um total de 109 indivíduos participaram da pesquisa, sendo 69 dependentes de álcool, com média de idade de 44,81 ± 9,96 anos, e 40 indivíduos no grupo dependentes de crack, com média de idade de 33,00 ± 9,20 anos. Não houve diferença significante entre grupos dependentes de álcool e dependentes de crack para as variáveis relacionadas à composição e quantidade da saliva (p > 0,05).

Conclusões:Os dependentes de álcool e crack deste estudo não apresentaram diferenças na composição bioquímica e na quantidade de saliva.

Palavras-chave:Cocaína crack. Alcoolismo. Sialometria. Sialoquímica

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador