ESTUDO DESCRITIVO DE LEVANTAMENTO DE HIPÓTESES A PARTIR DE OITO PACIENTES COM CÂNCER DE MAMA PORTADORAS DA SÍNDROME DE LI-FRAUMENI TRATADAS COM RADIOTERAPIA NO HOSPITAL ERASTO GAERTNER, CURITIBA-PR.

SCHLICKMANN, Thainá 1; ROCHA, Jose Claudio Casali da 2;

Resumo

Introdução:Acredita-se que cerca de 5 a 10 % dos casos de cânceres de mama estejam relacionados a síndromes hereditárias de predisposição. Dentre essas síndromes, a Síndrome de Li-Fraumeni (SLF) ocupa um papel importante. A SLF é definida pela presença da mutação no gene TP53 R337H. A literatura relata que essa mutação pode estar associada à falta de resposta à radioterapia e à indução de novos tumores primários ou recidivas mais agressivas quando submetidas a essa modalidade de tratamento.

Objetivo:Avaliar a ocorrência de novos tumores primários e recidivas locais após tratamento radioterápico de oito mulheres portadoras da mutação germinativa TP53 R337H que foram tratadas com radioterapia no leito mamário complementar à cirurgia do câncer de mama.

Metodologia:"Foram incluídas oito pacientes com câncer de mama localizado e tratado cirurgicamente no Hospital Erasto Gaertner (HEG), rastreadas geneticamente para a Síndrome de Li-Fraumeni no Serviço de Oncogenética e que fizeram tratamento radioterápico adjuvante no HEG. A tecnologia de irradiação utilizada foi a radioterapia convencional bidimensional, com doses que variaram de 45 a 54,4 Gy. Todos os dados clínico-patológicos e de planejamento do tratamento foram extraídos de prontuários eletrônicos."

Resultados:"A média da idade das pacientes ao diagnóstico do primeiro câncer de mama foi de 44,5 anos. A paciente mais nova tinha 26 anos ao diagnóstico do primeiro tumor, enquanto a paciente mais velha tinha 72 anos. Quanto à ocorrência de novos tumores primários em sítio previamente irradiados, três das oito pacientes (37,5%) tiveram novo diagnóstico, sendo duas delas durante o terceiro ano de seguimento e uma durante o quinto ano de seguimento. Novo tumor primário à distância foi identificado em três das oito pacientes (37,5%), sendo um deles de intestino, um de antro gástrico e um de câncer de mama contralateral. Nossa análise encontrou incidência de 37,5% de tumores radioinduzidos em sítio previamente irradiado e incidência de 37,5% de novos tumores à distância."

Conclusões:Através da análise dos oito casos, observamos uma grande ocorrência de novos tumores primários radioinduzidos após o tratamento radioterápico adjuvante em pacientes portadoras da SLF. A ocorrência desses novos tumores se deu entre três a cinco anos após a RT. Encontramos também grande ocorrência de novos tumores à distância.Com base nos resultados deste estudo, reforçamos a recomendação da National Comprehensive Cancer Network (NCCN) de que se evite sempre que possível o uso da radioterapia em pacientes portadores da mutação TP53 R337H.

Palavras-chave: Câncer de mama. Síndrome de Li-Fraumeni. TP53.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador