EXPECTIVAS X DESEMPENHO NA ADOÇÃO DA COOPERAÇÃO EMPRESARIAL COMO ESTRATÉGIA COMPETITIVA.

BANDEIRA, Gabriel Lucas1; BARBOSA, Solange de Lima2;

Resumo

Introdução:Um dos pilares do atual ambiente organizacional é a necessidade de atuação conjunta e associada entre empresas. Alvo de grandes ensaios teóricos e constatado por meio de vários estudos empíricos, os benefícios das redes colaborativas são inúmeros e permitem, entre outras coisas, o desenvolvimento tecnológico e comercial das organizações, a redução de custos, o aumento da produtividade, a inovação em produtos e tem garantido a competitividade e a sobrevivência de microempresas a grandes corporações.

Objetivo:Este estudo teve como principal motivação o desejo de analisar motivações, expectativas e desempenho de empresas que se destinaram a cooperar e as que desejam fazê-lo em algum momento, visando identificar padrões comportamentais e definir arquétipos de cooperação. Como objetivos específicos, teve enfoque a avaliação do estado da arte sobre o tema, a caracterização de expectativas e desempenho obtido, o desenvolvimento de indicadores para mensurar o gap expectativa-desempenho entre os perfis organizacionais e, ao final do estudo, a criação de arquétipos que pudessem representar diferentes perfis de cooperação.

Metodologia:Para esse intuito, foi realizada uma pesquisa exploratória, de caráter descritivo quantitativa, com corte transversal no período 2018-2019 e design de levantamento. Em uma fase qualitativa, com análise de conteúdo em base de periódicos especializados no campo, validou-se a existência do relacionamento associativo e das estratégias competitivas para composição do referencial teórico para embasamento e averiguação das teorias já estruturadas e a posteriori fomento das variáveis para composição dos questionários de pesquisa. Com uma amostra de 55 empresas de diferentes portes e segmentos empresariais, montada pela técnica de Snowball, e com uso de questionários estruturados, elaborados e distribuídos via @Qualtrics, ora analisados por técnicas de análise de frequência, correlação de Spearman e análise de cluster, com uso do IBM-SPSS.

Resultados:Foi possível observar relação positiva entre expectativa e desempenho dentre alianças cooperativas (72%), reflexo de tomadores de decisão com alta propensão a exercer nova atividade de cooperação nos três anos seguintes a primeira união, diante do proveito de experiências passadas satisfatórias. Foi identificado também que as limitações e desafios observados pelos gestores em ações cooperativas anteriores não se revelam como barreiras para exercer nova cooperação futura, revelando dissonância entre as dificuldades percebidas e as limitações ou incentivos para novas ações. Embora as dificuldades para cooperar, relatadas pelos gestores, confirmam o já apontado na literatura, uma constatação relevante foi perceber que os gestores têm buscado se preparar antes de assumirem a cooperação, o que pode contribuir para melhorar o gap de expectativa-desempenho.

Conclusões:Diante da variabilidade setorial obtida em uma amostra pequena, não foi possível identificar perfis que sustentassem a hipótese de arquétipos, como também não possibilitou o desenvolvimento de indicadores de mensuração dos gaps de expectativa-desempenho almejados, sugerindo que esses possam ser obtidos quando se replicar o estudo em amostras maiores ou concentradas por segmentos de negócios. No entanto, mesmo diante disso, os resultados obtidos trouxeram contribuições significativas para corroborar outras pesquisas no campo e para promover insights valiosos para gestores que desejam fazer uso da cooperação como estratégia competitiva.

Palavras-chave: Cooperação. Estratégias Cooperativas. Coopetição.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador