PERFIL DOS PACIENTES IDOSOS VÍTIMAS DE FRATURAS DE FÊMUR ADMITIDOS EM UNIDADES DE TERAPIA INTENSIVA

SOARES, Fernando Lucas1; BORGES, Aline Vaz 3; BENGHI, Leticia Marx 3; JOAO, Paula Geraldes David2;

Resumo

Introdução:Fraturas de fêmur em idosos, secundárias a quedas, são eventos de alta prevalência e gravidade e demandam cuidados em saúde avançados.

Objetivo:Delinear o perfil clínico-epidemiológico de pacientes idosos vítimas de fraturas de fêmur admitidos em unidades de terapia intensiva, as complicações mais frequentes e suas inter-relações.

Metodologia:Essa pesquisa consistiu em um estudo observacional transversal. Foram incluídos dados clínico-epidemiológicos de pacientes com 60 anos ou mais, vítimas de trauma, com fratura de fêmur, admitidos nas Unidades de Terapia Intensiva do Hospital Universitário Cajuru de Curitiba-PR. Os dados foram tabulados e analisados com auxílio dos softwares Microsoft Excel 2013® e SPSS®.

Resultados:Foram analisados dados de prontuários de 60 pacientes, sendo 42 do sexo feminino (70,0%), com idade média de 83,4±9,1 anos. A queda de mesmo nível foi o mecanismo desencadeante de 93,3% das fraturas. As principais comorbidades dos pacientes eram: Hipertensão (n=47), Diabetes (n=22), Doenças cardiovasculares (n=15). 37 pacientes tiveram uma ou mais complicações. Constipação (n=18), Lesão Renal Aguda (n=15) e Delirium (n=9) foram as predominantes. A mediana do tempo de estadia na UTI foi de 1 dia e a mediana de estadia hospitalar foi de 8,5 dias. 56 pacientes (93,3%) tiveram alta hospitalar e 4 foram a óbito (todos do sexo masculino). Houve associação significativa da Lesão Renal Aguda (p<0,01), número de complicações (p<0,01) e tempo de UTI (p<0,01) com o desfecho negativo.

Conclusões:Na população estudada houve o predomínio de pacientes do sexo feminino (70%), vítimas de queda de mesmo nível (93,3%) cujas principais comorbidades eram Hipertensão, Diabetes e Doenças Cardiovasculares. Constipação, Lesão Renal Aguda e Delirium foram as complicações mais frequentes. Houve associação entre Lesão Renal Aguda, número de complicações e tempo de estadia na UTI com a mortalidade, cuja prevalência encontrada foi de 5,0% (n=4). Apesar de resultados com significância estatística e coerentes com dados da literatura, mais estudos acerca do mesmo tema com uma quantidade de pacientes mais expressiva são necessários.

Palavras-chave:Idosos. Terapia Intensiva. Mortalidade. Fraturas do fêmur

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador