NIETZSCHE E A REABILITAÇÃO DAS “COISAS HUMANAS”: O MÉTODO CIENTÍFICO-HISTÓRICO-FISIOPSICOLÓGICO

SILVA, João Luis Corá1; OLIVEIRA, Jelson Roberto de2;

Resumo

Introdução:No segundo período de sua produção filosófica, Nietzsche contrapõe a metafísica à filosofia de base histórico-fisio-psicológica, que está fundada nas ciências naturais e busca uma explicação das coisas humanas a partir de aspectos fisiológicos, psicológicos e históricos, isto é, aspectos relacionados ao próprio corpo, nos instintos e sentimentos gerados por ele.

Objetivo:O objetivo geral da pesquisa é analisar como Nietzsche promove a reabilitação das coisas humanas a partir da sua crítica à metafísica por meio do método que podemos chamar de científico-histórico-fisiopsicológico, e como tal metodologia leva à afirmação da vida.

Metodologia:A metodologia utilizada foi a revisão bibliográfica do que caracteriza o método científico-histórico-fisiopsicológico principalmente em Humano, Demasiado Humano e nas demais obras do segundo período de sua produção filosófica (1876-1882).

Resultados:A ação humana não tem sua origem em princípios metafísicos, mas sim no próprio homem delimitado historicamente e limitado também a sua fisiologia e psicologia. Seus atos têm apenas um único desejo, o da fruição do próprio indivíduo, da satisfação de necessidades fisiológicas segundo o princípio da autoconservação. O homem é vir-a-ser, resultado de um afluente de forças em oposição, seus julgamentos mais racionais são, ao mesmo tempo, as afirmações mais errôneas, todos os seus motivos advêm de uma mesma natureza que é força em oposição, que não distingue bem e mal, e age como é impelido a agir, isto é, compelido a meta da satisfação e pelo princípio da autoconservação. A moral é produto desses processos e não uma derivação metafísica de realidades suprassensíveis. Do ponto de vista histórico-fisio-psicológico tudo no âmbito do humano é mutável e são esses constituintes em fluxo que estão na base do sentido de verdade, justiça, conhecimento etc.

Conclusões:É a partir do método científico exposto por Nietzsche que se torna possível a pratica da afirmação da vida, isto ocorre quando o próprio homem, tomado enquanto subjetividade psicológica, vivência histórica e constituição orgânico-fisiológica, passa a refletir, no seu próprio fluxo de vir-a-ser, sobre a gênese de seus sentimentos morais. Assim, este homem histórico-fisiopsicológico torna sua a tarefa do cultivo da gênese e proveniência de quem ele é, a partir de sua própria experiência vivencial histórico-fisio-psicológica, exercendo, por isso, a prática de afirmação da vida tal como ela é, não mais enredada em princípios fora dela (metafísica).

Palavras-chave: Nietzsche. Coisas humanas. Fisiopsicologia. Filosofia histórica. Filosofia científica.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador