O MASCULINO E O FEMININO EM EDITH STEIN

CARVALHO, Guilherme Felipe1; VALLE, Bortolo2;

Resumo

Introdução:Como consequência do processo histórico de dominação da figura masculina para com a feminina, surge dessa maneira, a necessidade de repensar o modo como essas relações de poder encontram-se fundamentadas e analisar de que modo pode ser encontrada uma saída para estabelecer uma reestruturação no funcionamento destas relações.

Objetivo:O seguinte projeto de pesquisa concentra-se na tarefa de descobrir e analisar os elementos constituintes na formação do masculino e o feminino em Edith Stein (1841-1942). Sendo que diante dessa fundamentação, é que há o desabrochar do pensamento steiniano, que por estar inserida no contexto, propriamente no início do século XX, é que Edith de forma inovadora, busca compreender o funcionamento dessas relações recorrendo diretamente à natureza, visando desta maneira, encontrar a essência definidora em torno da constituição antropológica do ser humano, isto é, do masculino e do feminino como seres em constante formação que se interligam reciprocamente.

Metodologia:A pesquisa fora realizada sob o levantamento bibliográfico da autora e obras de seus respectivos comentadores indicadas pelo orientador; que serviram de base para a elaboração do seguinte projeto.

Resultados:A constituição do masculino e do feminino se dá por elementos próprios que fazem com que haja uma distinção entre os gêneros, e para buscar uma resposta sobre esta questão, devemos voltar à natureza do ser humano, pois é por meio dela que Edith embasa o seu pensamento. Deste modo, há uma estrutura geral que fundamenta e dá sustentação ao ser, sendo que as caraterísticas masculinas e femininas se manifestam em ambos dos sexos, porém a definição exata de cada gênero é dada de acordo com a sua predominância desta manifestação em cada um.

Conclusões:Mesmo após anos e mais de lutas das mulheres reivindicando os seus direitos, estas ainda ocupam postos inferiorizados ante aos masculinos, e o que faz Stein é defender um equilíbrio entre as figuras masculinas e femininas como meio de redirecioná-las para um desenvolvimento saudável da sociedade. Afinal, é como a própria autora pensa; de que há uma estrutura geral, totalizante, que fundamenta os seres e os projeta de formas distintas, e que isso implica em uma nítida diferenciação entre ambos.

Palavras-chave: Estrutura. Gênero. Masculino. Feminino. Formação.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador