NIILISMO E RESPONSABILIDADE: SOBRE O NIETZSCHE DE HANS JONAS

MULLER, Jean Carlos1; OLIVEIRA, Jelson Roberto de2;

Resumo

Introdução:Em sua obra O princípio responsabilidade, Hans Jonas propõe uma nova ética, visto que as éticas tradicionais, segundo ele, tinham em vista apenas os aspectos intra-humanos do presente, uma vez que a natureza não era objeto da responsabilidade humana, já que ela “cuidaria” de si mesma. Se por um lado, a civilização moderna celebra o triunfo da razão demonstrativa, por outro lado, esta mesma civilização, assiste concomitantemente ao abandono da metafísica e da ética, fatores estes que corroboram o niilismo e o relativismo de valores que ora vivemos

Objetivo:Nosso propósito é demostrar que do advento da técnica que se impõe na era moderna resulta em um niilismo, sobre o qual ela também se apoia, já que faltam formulações morais capazes de orientar o uso dos novos poderes.

Metodologia:Leitura dos principais livros de Hans Jonas, com atenção especial ao Princípio Responsabilidade. Além do aporte literário, também é parte do método a orientação por parte do professor-orientador e a participação em grupos de estudos vinculados a este assunto. A conversa e debates com colegas estudantes que são pesquisadores afins deste ramo de análise também se fez pertinente ao desenvolvimento desta pesquisa.

Resultados:Tais fatores levam a uma incerteza em relação à continuidade da vida humana e extra-humana que agora encontra-se ameaçada pelo poder da técnica por meio da ação humana. Como alternativa a este cenário, Hans Jonas formula a teoria da responsabilidade como fundamento de uma nova ética do futuro, com os seus fundamentos metafísicos e os dois arquétipos que segundo Jonas, melhor representam sua teoria ética. Isto é, a responsabilidade do estadista e aquela dos pais em relação aos filhos. Se a técnica e o niilismo dela decorrente nos apontam para um cenário de incertezas em relação ao futuro, destacaremos essas duas formas de responsabilidades como via de superação do niilismo. Em Jonas a responsabilidade como tarefa do homem de Estado, consiste em assegurar no presente a possibilidade de que no futuro haja homens capazes de assumir responsabilidade. De igual modo, a responsabilidade dos pais em relação aos filhos trata-se de cuidar da vida. O que abre caminhos para a possibilidade de continuidade da existência de vidas no mundo de amanhã, pois o nascimento de uma criança representa o recomeço da humanidade. Sendo assim, a responsabilidade dos pais para com os filhos definirá no presente, um novo sujeito para um futuro novo.

Conclusões:Não se pode negar que o avanço da tecnologia tenha proporcionado ao homem conhecimento e certo tipo de controle sobre o ambiente que o cerca. Por outro lado, não se deve esconder que essa mesma tecnologia se mostrou fonte de prejuízos para ele mesmo e, para além dos danos controláveis, trouxe consigo perigos anteriormente inexistentes.

Palavras-chave: Hans Jonas. Técnica. Tecnologia. Niilismo. Responsabilidade.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador