ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE O ESCORE DEGLEASON E PI-RADS NO ESTADIAMENTO DOCÂNCER PROSTÁTICO

CONINCK, Gustavo Henrique Bauermann1; MEYER, Fernando2;

Resumo

Introdução:A alta incidência do câncer de próstata entre as neoplasias na população masculina, a necessidade de métodos diagnósticos ou de estadiamento para o tratamento eficiente e, idealmente, precoce são fatores importantes para cura ou para diminuir as complicações da evolução da doença, fornecendo uma melhor qualidade de vida e maior sobrevida ao paciente. A existência de diferentes parâmetros de estadiamento é o principal foco de interesse que motivaram a realização desse estudo. Para um diagnóstico precoce do câncer prostático o exame de imagem de Ressonância Magnética baseado na escala PI-RADS e também o ESCORE DE GLEASON obtido no exame anatomopatológico da biópsia prostática onde um PI-RADS alto (maior ou igual a 4) junto com um escore de Gleason significativo (maior ou igual a 8), ou seja, um ISUP (maior ou igual a 4), sejam característicos e passíveis de maior suspeita de malinigdade.

Objetivo:A proposta tem como objetivo principal realizar uma análise de prontuários de pacientes portadores de câncer prostático e identificar a escala obtida com exame de ressonância magnética (PI-RADS) e comparar sua significância com um escore anatomopatológico (Escore de Gleason). Conhecer aspectos da enfermidade câncer de próstata nos pacientes usuários do Hospital Nossa Senhora das Graças de Curitiba-PR; Conhecer, analisar e interpretar os prontuários dos pacientes com câncer de próstata que tenham os critérios de Escore de Gleason e PI-RADS simultaneamente; Conhecer, analisar e interpretar no mesmo prontuário desses pacientes o PSA e o ISUP quando presentes; Verificar a eficiência dos exames e sistemas de analises mais utilizados;

Metodologia:Analise de prontuários no período de Janeiro de 2014 a Junho de 2019, as variáveis a serem coletadas serão idade do paciente, Escore de Gleason, PI-RADS, PSA e ISUP. Os pesquisadores garantem o sigilo de todos os dados coletados e utilizarão os resultados para apresentação em eventos científicos e publicações em revistas reconhecidas pela área da saúde.

Resultados:A análise de prontuários de pacientes com câncer de próstata do Hospital Nossa Senhora Das Graças de Curitiba. Foram selecionados 64 pacientes e divididos em grupos conforme a classificação PI-RADS e ISUP, sendo elaborada uma análise comparativa entre valores de PI-RADS (4-5) e ISUP (4-5).Dos 64 casos analisados, 7 (10,9%) tiveram resultados de PSA e PI-RADS baixos e outros 6 (9,4%) tiveram resultados de PSA e de PI-RADS altos, indicando uma concordância de classificações em 13 (20,3%) dos casos. Ainda, 50 (78,1%) casos foram classificados como tendo PSA baixo e PI-RADS alto e 1 (1,6%) teve PSA alto e PI-RADS baixo, ou seja, tiveram discordância de classificações em 51 (79,7%) casos.

Conclusões:Observou-se que pacientes com PI-RADS baixo, na maioria dos casos, estarão relacionados a um ISUP de baixo grau, com uma sensibilidade de 83,3%. Ao passo que pacientes com PI-RADS elevado tem 8,9% de chance de ter um ISUP elevado também.

Palavras-chave:ISUP. PI-RADS. Escore de Gleason. Ressonância Magnética.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador