ESPIRITUALIDADE NA AÇÃO PASTORAL DE DOM HELDER CAMARA.

SOUZA, Elizeu Bonfim de1; MIKUSZKA, Gelson Luiz2;

Resumo

Introdução:A presente pesquisa visa apresentar a vida e amadurecimento da espiritualidade Dom Helder Camara, a sua caminhada ministerial diante do povo a ele confiado, sua participação ativa nos bastidores do concilio Vaticano II, a partir da leitura e reflexões das cartas conciliares e interconciliares, bem como a fundamentação em outros autores, mostra parte do seu caminho espiritual e sua ação pastoral frente aos desafios da época, sendo também um referencial na igreja do mundo inteiro.

Objetivo:O objetivo é observar o trabalho de Dom Helder relacionado com sua espiritualidade. Para tanto, desenvolvemos e aprofundamos os conceitos de trabalho pastoral, e de espiritualidade. Assim, foi possível refletir em conformidade com os anseios da Igreja atual e seus ofícios, visando uma ação pastoral pautada na integração entre a interioridade e a prática, a partir do encontro pessoal com Jesus Cristo Bom Pastor, guia e modelo de todo agente pastoral.

Metodologia:O material e o método utilizados nesta pesquisa foram a reflexão a partir das cartas Conciliares e Interconciliares de Dom Helder para entender os anseios que o mesmo tinha e sua preocupação com um modelo de Igreja “povo de Deus” que acolhe a todos sem distinção de raça, cultura ou situação econômica. Em si, um modelo de pastoral onde os leigos fossem engajados e verdadeiramente protagonistas de uma Igreja justa e igualitária.

Resultados:Nos resultados, é observável que compreendemos melhor, a partir da ação de Dom Helder que a espiritualidade não está dissociada da realidade, mas integra uma vivência concreta, onde o ser humano é capaz de vivenciar e dialogar com Deus e, portanto, a espiritualidade contempla a relação humana desde uma relação próxima e direta com Deus, o criador. Chegamos a isso porque as referidas cartas contemplam a ideia base de favorecer os pobres através de bispos engajados nos problemas sociais e cientes da opção preferencial pelos pobres, excluídos, marginalizados, pecadores, que contempla a tríade que Jesus mais tinha apreço, a saber: cuidar do pobre, da viúva e do órfão.

Conclusões:Nas considerações finais, observamos que exercer na atualidade uma espiritualidade no trabalho pastoral requer cultivar um diálogo profundo, alimentando uma intimidade com Jesus, como fez Dom Helder, para que, de modo resiliente, possamos superar os momentos desafiadores da ação pastoral e prosseguirmos sem nos entregar.

Palavras-chave: Pastoral. Espiritualidade. Cartas conciliares.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador