ANÁLISE HISTOPATOLÓGICA DE RINS AFETADOS PELA DOENÇA RENAL CRÔNICA E TRATADOS COM VESÍCULAS EXTRACELULARES DERIVADAS DE CÉLULAS-TRONCO.

PRADO, Nayra Oliveira1; SENEGAGLIA, Alexandra Cristina2;

Resumo

Introdução:A doença renal crônica (DRC) é definida por uma lesão renal caracterizada por alterações estruturais ou funcionais dos rins. Pesquisas avançam buscando alternativas terapêuticas para o tratamento da DRC em modelos envolvendo o uso das células-tronco mesenquimais (CTMs), células progenitoras endoteliais (CPEs) e o uso de vesículas extracelulares (VEs) derivadas de CTMs e CPEs.

Objetivo:Realizar a avaliação histopatológica renal 30 dias após a indução da DRC bem como após o transplante das vesículas extracelulares derivadas de células-tronco mesenquimais e de células progenitoras endoteliais isoladas a partir do tecido e do sangue de cordão umbilical humano respectivamente, no tratamento da DRC induzida pelo excesso de adenina na dieta, em ratos Wistar.

Metodologia:Foram utilizados 30 ratos Wistar, os quais receberam dieta enriquecida com adenina durante 14 dias para a indução da DRC. Após o tempo de administração da dieta rica em adenina, o grupo VCPE e o Grupo VCTM receberam duas infusões de vesículas extracelulares derivadas de CPEs, e duas infusões de VEs derivadas de CTMs, respectivamente. O Grupo C recebeu apenas infusão de solução salina, representando o grupo controle do estudo. No dia 30, após o término dos procedimentos iniciais, foi realizada a eutanásia para coleta dos rins dos animais para avaliação histopatológica. Para a avaliação da lesão tecidual foram utilizados os corantes Hematoxilina-Eosina, Ácido Periódico de Schiff e Picrosirius-red, para identificação do tecido fibrótico.

Resultados:As análises dos rins dos animais que receberam infusões de vesículas derivadas de CPEs e de vesículas derivadas de CTMs, indicaram que o tratamento com VEs impediu o aumento do volume e a formação de novos cristais de 2,8 dihidroxiadenina.

Conclusões:O tratamento com vesículas derivadas de CPEs e de CTMs, provou ser uma possível alternativa para o tratamento da DRC. Demonstrou resultados promissores no controle da progressão da doença e mostrou-se uma alternativa considerável na tentativa de controlar os efeitos da mesma. Tal feito estimula novos ensaios que busquem maiores interpretações acerca dos mecanismos de atuação das VEs.

Palavras-chave: Vesículas extracelulares. Doença renal Crônica. Adenina. Terapia celular.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador