SEGMENETAÇÃO DO ESPAÇO URBANO, POBREZA E DIREITOS HUMANOS

KINAP, Alicia Gomes1; BONETI, Lindomar Wessler2;

Resumo

Introdução:Trata-se de uma pesquisa sobre a segmentação do espaço urbano em Curitiba, PR, Paraná, no que se refere à condição de vulnerabilidade social, e a relação deste fenômeno com os Direitos Humanos. Nesse trabalho busca-se analisar a configuração do espaço urbano frente às situações de vulnerabilidade social, e como na prática a pobreza pode se escancarar na vida cotidiana e ser percebida no ambiente urbano. Nesta perspectiva, a pesquisa buscou responder a seguinte pergunta: Como se materializa a segmentação do espaço urbano de Curitiba, PR a partir do nível de renda familiar e a relação deste com os direitos humanos.

Objetivo:Compreender como se materializa a segmentação do espaço urbano de Curitiba, PR a partir do nível de renda familiar e a relação deste com os direitos essenciais e a dignidade humana. Especificamente, buscou-se: Definir uma linha de pobreza que interfere nos direitos essenciais da dignidade humana; Identificar a segmentação do espaço urbano na cidade de Curitiba,PR a partir do nível de renda familiar e a interferência deste nos direitos essenciais da vida humana; Mapear e analisar a segmentação do espaço urbano da cidade de Curitiba, PR a partir dos princípios principais dos diretos humanos.

Metodologia:A pesquisa se compreende como de cunho qualitativo, utilizando-se como base de referências teóricas o SCIELO, livros e revistas científicas. As informações empíricas tiveram origem em documentos fornecidos pelo IPPUC – Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba

Resultados:A discussão começa com o estabelecimento da relação entre pobreza e espaço urbano, na qual se percebe a influência da renda familiar ou per capta na configuração territorial das cidades. Assim a pobreza no Brasil se encontra em situação de difícil combate, e é escancarada pelo processo de exclusão territorial e na materialização do espaço urbano, sendo essa segmentação uma das formas de reprodução social da própria condição de vulnerabilidade social. A pobreza também se tornou uma discussão para os direitos humanos, pressupondo que ela por si só pode ferir a dignidade humana. Pensando nisso, busca-se avaliar a configuração do espaço urbano da cidade de Curitiba e relação de pobreza frente à posição da Prefeitura Municipal com relação às ações de combate à reprodução social, já que o Estado pode manter privilégios e excluir uma parte significativa da cidade dos benefícios da urbanização por meio da legislação sobre a construção civil e o uso do solo.

Conclusões:O direito à cidade é, nesse momento, negado a uma parte significativa dos que habitam em Curitiba, PR, porque criou-se um cenário de exclusão que nega a existência e esconde essa realidade, de maneira a tornar-se inexistente sob os efeitos do planejamento urbano. Esconde-se um problema tornando-o invisível. A importância de reconhecer todas as partes que compõem a esfera da metrópole é crucial para um desenvolvimento que busque ser mais igualitário, portanto, é preciso tornar as desigualdades visíveis para que sejam realizadas estratégias de combate a esse abismo social. Não é através da negação desses problemas que o resolveremos, mas sim com um trabalho de aprofundamento e regularização situacional desses indivíduos.

Palavras-chave: Segmentação urbana. Pobreza. Direitos humanos.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador