MEDIDAS DE EFICÁCIA E AUTOEFICÁCIA DE TREINAMENTO E DESENVOLVIMENTO EM COOPERATIVAS

BARCOS, Milagros Santamaria1; WEYMER, Alex Sandro Quadros2;

Resumo

Introdução:A alta competitividade do cenário contemporâneo, faz com que as organizações procurem alternativas de sustentabilidade econômica e social com perspectivas de longo prazo. É nesse contexto que as cooperativas assumem relevância, uma vez que competem com outras organizações não cooperativas no mesmo ambiente, mas sustentadas por princípios no qual as pessoas são consideradas protagonistas a partir da construção de sentimentos de pertença por ser consideradas associadas, ao invés de empregados. Nesse sentido, ao serem consideradas mobilizadoras de recursos para atingimento de objetivos organizacionais, o sistema cooperativo investe constantemente na capacitação profissional das pessoas, mas que não tem uma ferramenta para mensurar o resultado de tal investimento, denominado aqui neste estudo, como eficácia de treinamento.

Objetivo:Com o objetivo de suprir essa lacuna, este trabalho propõe identificar quais são as medidas de eficácia e autoeficácia de treinamento e desenvolvimento em cooperativas, com ênfase no aprofundamento daqueles indicadores mais significativos.

Metodologia:Para atingir esse objetivo, foram considerados dados obtidos por meio de um instrumento contendo dois questionários validados pela literatura especializada, aplicado a funcionários (associados) pertencentes às cooperativas vinculados ao SESCOOP Paraná, que participaram de cursos técnicos e de especialização durante o ano de 2017, havendo terminado o curso ou não, totalizando uma população de 1.156 respondentes, e 284 respostas válidas. Como os dados foram subsidiados pelo trabalho de Goulart (2018) com caráter quantitativo e utilização da técnica de modelagem de equações estruturais, o presente estudo aprofundou a análise dos indicadores mais evidentes individualmente, a partir da distribuição de frequência, sem escopo estatístico.

Resultados:Após a análise, foi possível concluir que as duas medidas apresentaram níveis altos de concordância, sendo que somente 6 (seis) da dimensão eficácia de treinamento, e 4 (quatro) da autoeficácia, foram considerados significativos, ou seja, representam a efetividade do treinamento como um todo. Ao contextualizar os resultados com o cooperativismo, pode-se dizer que as médias altas eram um resultado esperado, uma vez que os associados participantes dos treinamentos (a maioria deles), receberam uma bolsa 100% para a realização de cursos e especializações, com a condição de que o resultado da aprendizagem proporcionasse retorno às cooperativas por meio de projetos aplicáveis.

Conclusões:Desta forma, os funcionários deviam obter e entregar resultados altos como retorno para o capital investido pela empresa para os programas de treinamento e desenvolvimento.

Palavras-chave: Medidas de Autoeficácia. Medidas de Eficácia de Treinamento. Cooperativas.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador