ANÁLISE DA NECESSIDADE E EFETIVIDADE DA BROMOPRIDA EM PACIENTES ATENDIDOS POR UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO NO MUNICÍPIO DE CURITIBA-PR

PINTAN, Roberta Vaz1; ASCHENBRENNER, Jaqueline Jesus 3; SALES, Fernanda Cristina Ostrovski2;

Resumo

Introdução:Os antieméticos são medicamentos muito utilizados na prática clínica. Embora apresentem uma alta incidência de reações adversas (RA), seu uso frequente se dá tanto pela necessidade de controle de náusea e vômitos quanto por seu baixo custo e fácil acesso. A bromoprida é um antiemético antidopaminérgico cuja principal ação está no bloqueio dos receptores da dopamina-2. Sua prescrição pode desencadear RA, como: reações extrapiramidais, distonia aguda e discinesia tardia. Poucos estudos foram realizados para comprovar maior eficácia e segurança desse fármaco, fato que gera dúvida sobre a real necessidade e efetividade de sua ampla utilização em pronto socorros (PS), tanto em relação ao custo quanto para a segurança do paciente.

Objetivo:Análise da necessidade e efetividade do medicamento antiemético bromoprida, a partir de informações retrospectivas coletadas em prontuário eletrônico de pacientes atendidos no (PS) de um hospital universitário do município de Curitiba.

Metodologia:Foi realizado um estudo transversal, observacional e descritivo, que analisou as seguintes variáveis de pacientes usuários de bromoprida em um hospital universitário do município de Curitiba: idade, sexo, dias de uso, número de ampolas utilizadas, dias totais de internamento, uso de analgésicos opióides, identificação de necessidade do medicamento, identificação do motivo da necessidade, identificação da especialidade médica responsável pela prescrição. Para avaliar a associação entre duas variáveis categóricas foi usado o teste exato de Fisher. Quanto a variáveis quantitativas, foi utilizado o teste não-paramétrico de Mann-Whitney. Os dados foram analisados com o programa computacional Stata/SE v.14.1. StataCorpLP, USA.

Resultados:Foram analisados 617 prontuários de pacientes usuários de bromoprida, cada paciente utilizou em média 4,3 ampolas por dia de internamento, sendo que apenas 140 apresentaram sintomas que indicassem necessidade do uso. 57,9% dos prontuários não constavam se havia ou não necessidade e 116 pacientes utilizaram sem apresentar necessidade, ficando expostos aos efeitos adversos. Em 599 prontuários não havia referência ao uso de bromoprida e em 66% não constavam informações relacionadas a sua efetividade. 140 pacientes apresentaram necessidade de antiemético, nenhum destes teve seu uso considerado não efetivo, sendo que em 2 esta informação não constava em prontuário. Os resultados encontrados foram expressivos, apesar da grande quantidade de prontuários que não constavam informações acerca do uso da bromoprida. Como esperado, observou-se também combinação do uso de analgésicos opióides com a bromoprida (26,4% dos casos), o que está relacionado ao fato de que um dos principais efeitos colaterais destes serem náusea e vômito, ainda que seu uso não configure necessidade de bromoprida.

Conclusões:A bromoprida é um medicamento cujo uso racional deve ser priorizado, tanto para evitar iatrogenia quanto gastos desnecessários de recursos hospitalares. A otimização do registro no sistema hospitalar também deve ser estimulada, para melhor avaliação da necessidade e efetividade do uso deste fármaco.

Palavras-chave:Bromoprida. Necessidade. Efetividade. Antiemético

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador