SURVIVINA MITOCONDRIAL E A RESISTÊNCIA À APOPTOSE INDUZIDA PELA SALIVA DO CARRAPATO AMBLYOMMA SCULPTUM

LIMA, Gabriela Mondini de1; COGO, Sheron 3; ESPOSITO, Selene Elifio 3; NASCIMENTO, Thatyanne Gradowski Farias Da Costa Do 3; ESPOSITO, Selene Elifio2;

Resumo

Introdução:O neuroblastoma (NB) é o tipo mais comum de tumor sólido em crianças. É responsável pela mortalidade de aproximadamente 10% por câncer neste público. Essa doença é muito heterogênea, podendo regredir espontaneamente ou sofrer metástase. O prognóstico clínico desfavorável da doença está ligado, dentre outros fatores, com a amplificação do cromossomo 17q, bem como a superexpressão da proteína Survivina, localizada na região 17q25, que é um fator de resistência aos tratamentos hoje disponíveis. Algumas toxinas animais são conhecidas pelo seu potencial antitumoral, como a saliva do carrapato Amblyomma sculptum, que é citotóxica para as linhagens de NB, porém somente uma destas linhagens demonstrou um perfil característico de apoptose, mostrando que as demais apresentam algum grau de resistência a indução a morte celular programada. Neste projeto levantamos a hipótese de que a survivina mitocondrial poderia estar envolvida na resistência das demais linhagens celulares de NB à saliva bruta do carrapato Amblyomma sculptum, assim como outras formas de estresse celular.

Objetivo:Avaliar o envolvimento da proteína antiapoptótica Survivina mitocondrial na resistência de células de neuroblastoma à apoptose induzida pela saliva de Amblyomma sculptum in vitro.

Metodologia:Para este projeto foram utilizadas quatro linhagens de NB (SK-N-SH, SH-SY5Y, CHLA-20 e BE(2)-M17). Estas foram submetidas a diferentes condições de estresse para conhecimento do seu perfil de resistência (hipóxia nas condições de 1 e 5% de oxigênio, privação de soro nas concentrações de SFB de 0,5; 1; 1,5; 2 e 10%), antes do uso da saliva de carrapato (20%, p/v). A viabilidade celular foi avaliada pelo método de azul de metileno. A apoptose foi medida por citometria de fluxo utilizando as sondas Anexina-V e 7-AAD. Após este teste, a linhagem BE(2)-M17 foi excluída do projeto. Seguiu-se para a padronização do protocolo de marcação para microscopia de fluorescência, que será empregada como uma etapa para identificação da expressão da Survivina em diferentes condições de estresse. A análise estatística dos resultados quantitativos foi feita utilizando-se o software GraphPad 7.0.0 por ANOVA e teste de Tukey para a comparação entre os grupos.

Resultados:Foi possível observar que as diferentes linhagens de NB utilizadas responderam diferentemente às condições de estresse. Duas linhagens foram os extremos, SK-N-SH demonstrou um perfil sensível à todas as condições de estresse e seu perfil apoptótico em relação à saliva e à privação de soro. Por outro lado, as células da linhagem SH-SY5Y foram resistentes à todas as condições ensaiadas. A avaliação de expressão de survivina demonstrou que ambas as linhagens apresentam algum nível de survivina em condições ideais de cultivo e esse fato irá guiar os próximos passos dessa investigação da relação de survivina com as condições de estresse aqui apresentadas.

Conclusões:O presente projeto permitiu a identificação do grau de susceptibilidade de diferentes linhagens de neuroblastoma, frente à saliva de carrapato, mas também sob diferentes condições de estresse. As etapas de padronização do protocolo de imunofluorescência foi realizada com sucesso e irá auxiliar as etapas futuras do projeto do grupo de pesquisa.

Palavras-chave:Survivina. Neuroblastoma. Hipóxia. Condições de estresse

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador