CONFLITOS BIOÉTICOS RELACIONADOS AOS CUIDADOS PALIATIVOS EM PACIENTES EM FIM DE VIDA: UMA REVISÃO INTEGRATIVA

ZANLORENZI, Amanda Cristina1; PERINI, Carla Corradi2;

Resumo

Introdução:O grande avanço da área da medicina nas últimas décadas tem levado a um prolongamento da vida de pacientes gravemente enfermos. Entretanto, a OMS relata que apenas uma pequena minoria dos profissionais de saúde em todo o mundo tem conhecimento dos princípios da atenção paliativa e como são praticados (OMS, 2014). Esse estudo reforça a necessidade de uma reflexão acerca dos conflitos relacionados aos cuidados paliativos em pacientes em fim de vida. Entende-se que uma revisão integrativa, identificando aspectos bioéticos e as práticas clínicas a ele relacionados, servirá como um panorama para compreendermos melhor o cenário atual.

Objetivo:Evidenciar e discutir os principais conflitos bioéticos relacionados aos cuidados paliativos em pacientes em fim de vida, de forma a relacioná-los às práticas na assistência em saúde, bem como seus gatilhos desencadeantes.

Metodologia:Trata-se de revisão integrativa da literatura. Foram selecionadas publicações datadas entre 2014 e 2018, nos idiomas português, inglês e espanhol. O período de busca se deu entre agosto e outubro de 2018, nas bases eletrônicas: PubMed e Scielo. Dos 190 artigos encontrados, 16 foram selecionados e analisados. A análise foi baseada em três aspectos bioéticos pré-estabelecidos: "Morrer com dignidade", "Obstinação e futilidade terapêuticas" e "Abandono", os quais compuseram as categorias desta pesquisa.

Resultados:Foram identificadas 6 práticas e 15 justificativas a elas relacionadas, e os resultados foram discutidos com base na literatura. Foram muitos os conflitos identificados, associados principalmente a não aceitação da morte, as falhas na formação dos profissionais, bem como ao conhecimento insuficiente do conceito de cuidados paliativos. Foram encontrados alguns pontos de convergência clara nos artigos analisados. Ficou bastante evidente a importância do compartilhamento das decisões com familiares, paciente e equipe multidisciplinar para a boa prática dos cuidados paliativos. A dificuldade humana em lidar com sentimentos relacionados à morte também foi apontada por diversos autores, e demonstrou ser um desafio a ser enfrentado e uma habilidade a ser desenvolvida. Nesse aspecto, fica evidente também a deficiência na abordagem do assunto nas escolas de ciências de saúde.

Conclusões:Os profissionais, inseridos no sistema mecanicista de cuidado, passam por uma formação centrada na doença e no modelo biomédico, apresentando despreparo no que se refere ao manejo adequado de pacientes em fim de vida. Nesse sentido, integrar os conceitos da Bioética na formação e prática profissional torna-se essencial para a assistência de pacientes em fim de vida.

Palavras-chave:Bioética. Cuidados Paliativos. Doente terminal

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador