DIAGNÓSTICO DA SITUAÇÃO DA RESISTÊNCIA ANTI-HELMÍNTICA EM REBANHOS DE OVINOS EM TOLEDO, PARANÁ, BRASIL

WESCHENFELDER, Evaldo Alan1; MORAES, Fernanda Rosalinski 3; AGNOLO, Caroline Emília Dell 3; MOCELIN, Kauan Willian 3; SCHNEIDER, Fernando Luiz 3; ZULPO, Dauton Luiz2;

Resumo

Introdução:A resistência anti-helmíntica é caracterizada pela habilidade dos helmintos a resistir a mecanismo de ação de alguma determinada droga, este é o problema sanitário mais grave da ovinocultura. Todas as faixas etárias podem estar acometidas, inviabilizando as criações economicamente, levando um atraso de desenvolvimento, prejudicando a produção e qualidade da lã.

Objetivo:O objetivo do presente projeto foi diagnosticar a situação da resistência anti-helmíntica e identificar os gêneros de helmintos gastrintestinais em rebanhos de ovinos no município de Toledo.

Metodologia:Foram visitadas três propriedades P1, P2 e P3 e coletado fezes dos animais diretamente da ampola retal, as amostras foram encaminhadas para Laboratório de Parasitologia Veterinária e processadas para a determinação dos ovos por grama de fezes. Fazendo a divisão dos grupos através da randomização pelo resultado da OPG, dividindo em G1, G2, G3, G4, G5, G6, G7, que foram tratados com levamisol, ivermectina, moxidectina, monepantel, closantel, albendazole e grupo controle que recebeu solução fisiológica, respectivamente. Após 14 dias realizou-se outra coleta de fazes para proceder o teste de redução de contagem de ovos por grama de fezes permitindo estimar a eficácia dos diferentes tratamentos por comparação da redução da contagem de OPG, antes e após o tratamento. Para a determinação do gênero de helminto realizava-se uma cultura fecal pré-tratamento e pós-tratamento nas divisões dos grupos através de um pool fecal, identificando as larvas infectantes.

Resultados:Das três propriedades testadas foi identificada a eficácia individualmente da P1, P2 e P3, 97,92%, 79,07%, 89,63% para levamisol, 54,58%, 89,92%, 79,27% para ivermectina, 52,71%, 87,94%, 90,24% para moxidectina, 99,79%, 100%, 97,56% para monepantel, 72,92%, 79,07%, 93,90% para closantel e 68,44%, 86,05%, 93,90% para albendazole, respectivamente. A identificação dos gêneros de helmintos na coprocultura foi de Haemonchus spp., Trichostrongylus spp. e Oesophagostomum spp.

Conclusões:A partir dos dados obtidos neste estudo, pode-se afirmar que a resistência anti-helmíntica está presente em ovinos do município de Toledo, no estado do Paraná. Sendo que apenas o monepantel nas três propriedades e o levamisol em uma propriedade, foi eficaz na redução da OPG dos rebanhos acima de 95%. Já os princípios ativos invermectina, moxidectina, closantel e albendazole, são considerados insuficiente ativo no controle de nematóides em ovinos.

Palavras-chave:Eficácia. Haemonchus spp. Oesophagostomum spp. Trichostrongylus spp. Vermífugo.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador