ETNOGRAFIA URBANA: USO E APROPRIAÇÃO DO ESPAÇO URBANO DO ENTORNO IMEDIATO DA PUCPR PELOS USUÁRIOS FREQUENTES

PEDROZO, Igor Cortês1; NETO, Paulo Nascimento2;

Resumo

Introdução:Esta pesquisa origina-se dos desdobramentos obtidos a partir de pesquisas anteriores, que realizaram análise da estruturação e dinâmica urbana no entorno imediato à PUCPR, compreendendo a imagem mental coletiva dos usuários frequentes, grau de apropriação dos espaços públicos e a relação da universidade enquanto barreira ou elemento integrador dos fluxos e atividades desenvolvidos nos seus espaços lindeiros. Assim, parte-se destes resultados para aprofundamentos nesta pesquisa, com vistas à maior compreensão dos graus de apropriação dos espaços públicos e sua interação com a universidade. Em síntese, busca-se responder a seguinte questão-problema: como ocorrem as relações de vizinhança, apropriação de espaços públicos e integração nas áreas lindeiras da PUCPR? Qual a influência da qualidade dos espaços públicos do entorno para conformação deste panorama?

Objetivo:Em correspondência a questão-problema, esta pesquisa tem por objetivo analisar e compreender as dinâmicas de utilização dos espaços públicos do entorno imediato ao Campus Curitiba da PUCPR, com enfoque nas dinâmicas urbanas não quantificáveis (dinâmicas invisíveis), identificando o grau de apropriação e sua relação com a qualidade dos espaços públicos produzidos.

Metodologia:Metodologicamente, a pesquisa está centrada na relação pessoa-ambiente, enquadrando-se nas discussões mais amplas sobre avaliação pós-ocupação. Neste contexto, trabalha-se com um estudo de caso de inspiração etnográfica, transcendendo a “escrita do visível” em direção à escrita do in-visível, reconhecendo que as características formais reveladas a partir do olhar do pesquisador estão vinculadas aos seus valores sociais e culturais. A partir da conjunção de múltiplos instrumentos de coleta de dados – observação direta, registro fotográfico, entrevistas e questionários – discute-se o tema pesquisado.

Resultados:Os resultados apontam para quatro grandes dimensões privilegiadas de análise e vivência: relação e frequência de apropriação do espaço, percepção do outro (usuário e espaço), grau de sentimento de segurança e grau de confortabilidade.

Conclusões:Por fim, deve-se recordar que a apropriação do espaço se caracteriza por um conjunto de subjetividades que convivem em proximidade, de tal maneira que os resultados apontam para novos caminhos de pesquisa, em um processo constante de aproximações sucessivas. Uma categoria, contudo, emerge como central: as relações de afeto com o espaço público, caracterizando tanto como uma dimensão analítica como de intervenção sobre o espaço.

Palavras-chave: Apropriação do Espaço. Dinâmicas Invisíveis. Afeto. PUCPR.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador