DESENVOLVIMENTO DE PLANTAS DE SCHINUS TEREBINTIFOLIOS RADDI E MAYTENUS ILICIFOLIA SCHRAD. NA IMPLANTAÇÃO DE SISTEMAS INTEGRADOS DE PRODUÇÃO COM DIFERENTES SISTEMATIZAÇÕES DE PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA

FERREIRA, Leticia Orchel1; SOUZA, Pablo Georgio de2;

Resumo

Introdução:Com o intenso crescimento da população mundial, a demanda na produção de alimento vem aumentando cada vez mais, consequentemente há a necessidade da produção de espécies florestais a fim de atender a demanda por produtos oriundos dessas espécies, cuja produção exige áreas mais extensas, o que está se tornando cada vez mais escassa em todos os lugares, dessa forma, há necessidade de implantar sistemas que consigam abranger de uma forma geral todas as principais necessidades atuais.

Objetivo:O objetivo do presente trabalho foi avaliar técnicas de implantação de cultivos florestais de Schinus terebintifolius Raddi e Maytenus ilicifolia Schrad. em sistemas integrados de produção.

Metodologia:O experimento foi realizado na Fazenda Experimental Gralha Azul – Fega, no município de Fazenda Rio Grande – PR, com parcelas dispostas em blocos ao acaso. Cada parcela delimitada com aproximadamente 900m² (novecentos metros quadrados), onde os tratamentos foram definidos por diferentes padrões de agrupamento entre as plantas, dispostos em linhas, faixas, aleatórios e integração, sendo manejadas de modo uniforme, de acordo com as avaliações periódicas de sobrevivência, diâmetro de colo e altura das plantas.

Resultados:Os dados da aroeira foram aferidos, mas não houve uma diferença estatística entre os tratamentos. Os dados e informações apresentados neste trabalho não são conclusivos, porém indicativos do potencial da aroeira. Se tratando da espinheira santa, não houve disponibilidade de Maytenus ilicifolia Schrad, o que impossibilitou a continuidade dos estudos e avaliações posteriores.

Conclusões:Considera-se que a aroeira foi uma espécie que sobreviveu e se desenvolveu bem no sistema, porém sem diferença estatística entre os tratamentos, assim, parece importante o desenvolvimento de pesquisas para a melhoria qualitativa e quantitativa dos produtos e serviços que ela pode oferecer. Já a espinheira santa foi uma espécie que não se adaptou nesta etapa do projeto, não sendo recomendada para esta fase do processo, sendo o seu plantio, indicado somente quando o ambiente estiver estabilizado. Recomenda-se o estudo dos aspectos relativos à propagação por estacas (épocas de corte, dimensões das estacas, seleção do material), visando assim, um melhor resultado em relação às formas de propagação da espécie, tendo em vista que é uma planta de difícil propagação. Os consórcios contribuíram para um melhor aproveitamento da área e foram significativamente importantes na produtividade de culturas. Como principais vantagens para o ambiente, podem ser citadas as melhorias ao solo e ao uso da água, bem como uma maior diversidade de plantas.

Palavras-chave:Aroeira pimenteira. Sistemas integrados. Espinheira santa. Agrofloresta

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador