AVALIAÇÃO DE CÃES DOENTES RENAIS CRÔNICOS TRATADOS COM CÉLULAS-TRONCO MESENQUIMAIS, ATRAVÉS DE EXAME CLÍNICO, IMAGEM, DE SANGUE E URINA.

KRINSKI, Madya Mayer1; MILISTETD, Michele 3; CAVALCANTE, Carolina Zaghi 3; JUNIOR, Pedro Vicente Michelotto2;

Resumo

Introdução:A doença renal crônica é uma importante enfermidade em cães e gatos, especialmente no caso de animais senis. Devido à natureza irreversível e frequentemente progressiva, a busca por métodos alternativos para melhorar a qualidade de vida destes pacientes é indispensável, sendo uma busca crescente na última década.

Objetivo:Deste modo, este estudo objetivou através de análises clínicas e laboratoriais, a avaliação da terapia com célula-tronco mesenquimal (CTM) em cães doentes renais crônicos.

Metodologia:Conforme foram selecionados pacientes doentes renais crônicos nos estágios II e III, estes foram distribuídos em dois grupos, sendo um composto por pacientes tratados somente com a terapia convencional (grupo I) e o grupo composto de cães tratados com terapia parenteral de CTM junto a terapia convencional (grupo II). Foram realizadas 3 aplicações de CTM, com intervalos de 21 dias entre elas. Os exames eram realizados antes de cada aplicação para o grupo II e conforme solicitado pelo nefrologista para o grupo I.

Resultados:Com base nos resultados laboratoriais e clínicos, há uma melhor resposta ao tratamento quando associado à terapia celular, especialmente quando se diz respeito à resposta comportamental dos cães, que tiveram melhora na ingesta alimentar e aumento da disposição para atividades. Para os resultados laboratoriais, não tiveram diferenças muito contrastantes, exceto para valores do hematócrito, o qual foi observado aumento para os pacientes do grupo II e redução para os do grupo I. Como conclusão, foi constatado que a terapia com CTM pode ser uma boa associação com a terapia tradicional para melhora da qualidade de vida de cães renais crônicos. A adequação na concentração de eritrócitos é a primeira resposta a terapia, sugestiva da grande afinidade das CTM com a medula óssea. Entretanto, em sua maioria, a resposta laboratorial não consta alterações.

Conclusões:Conclui-se que, visto que as indicações do uso das células não são para reconstrução renal e sim no controle dos processos inflamatórios, não regredindo lesões teciduais mas diminuindo efeitos sistêmicos causado por elas.

Palavras-chave:Cães. Doença renal crônica. Terapia celular. Célula-tronco mesenquimal

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador