DIGESTÃO SIMULADA IN VITRO DE GRÃOS COM PROBIÓTICOS IMOBILIZADOS

TURCHENSKI, Daniela Góes1; KARWOWSKI, Marilia Silva Malvezzi 3; RODRIGUES, Enzo Zanelato 3; MACEDO, Renata Ernlund Freitas de2;

Resumo

Introdução:A veiculação de probióticos por meio dos alimentos é uma das principais maneiras de administrar estes microrganismos benéficos para a manutenção da microbiota intestinal saudável

Objetivo:O presente trabalho teve como objetivo avaliar a capacidade de grãos de painço em manter a viabilidade de Lactobacillus plantarum durante digestão simulada in vitro.

Metodologia:Células de L. plantarum 343 foram imobilizadas em grãos de painço a 37°C por 72 h em caldo MRS. A digestão simulada foi realizada seguindo modelo estático com quatro fases (oral, gástrica, intestinal I e II) em tubos tipo Falcon a 37°C e 50 rpm. Foram realizados dois experimentos de digestão simulada com dois diferentes tratamentos cada. No experimento 1 foram submetidos à digestão: L. plantarum imobilizado em grãos de painço (T1) e células livres de L. plantarum (T2). No experimento 2 foram submetidos à digestão: L. plantarum imobilizado em grãos de painço (T1) e células livres deL. plantarum + grãos de painço (T2). Ao final de cada fase digestiva, tubos foram retirados para a coleta de amostra e contagem de células viáveis deL. plantarum. Os resultados foram analisados por ANOVA e teste de Tukey (P<0,05).

Resultados:Os grãos de painço mostraram-se adequados como matriz imobilizante de L. plantarum, com contagem obtida nos grãos após imobilização (10,92 log UFC/g) semelhante à contagem obtida no caldo MRS (10,65 log UFC/ mL), meio de transferência dos probióticos. Tanto para células imobilizadas quanto para células livres houve redução na viabilidade de L. plantarum no decorrer na digestão. Em ambos os experimentos de digestão simulada, na fase oral, verificou-se maior contagem para os tratamentos com células livres. Contudo, a partir da fase gástrica, verificou-se que a redução da contagem de L. plantarum quando na forma imobilizada foi menor do que quando na forma livre, indicando que os grãos de painço mostraram capacidade de proteger as células do probiótico das condições adversas da digestão. Além disso, após a passagem pelo estômago, a contagem de L. plantarum permaneceu estável, indicando que a adição de sais biliares e de pancreatina na fase intestinal não afetou a viabilidade do probiótico.

Conclusões:A imobilização de probióticos em painço mostra-se eficiente para a veiculação de probióticos em alimentos, mantendo a viabilidade e garantindo os efeitos benéficos associados a esses microrganismos.

Palavras-chave:Imobilização. Digestão in vitro. L. plantarum. Cereais.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador