ASSOCIAÇÃO ENTRE PREGAS AURICULARES E IMAGENS DE ATEROMA DE CARÓTIDAS COMUNS E DE CARÓTIDAS INTERNAS EM RADIOGRAFIAS PANORÂMICAS E DE TOMOGRAFIA COMPUTADORIZADA DE FEIXE CÔNICO

SANTOS, Luana Rodrigues dos1; COUTO, Soraya de Azambuja Berti3; SOUZA, Paulo Henrique Couto2;

Resumo

Introdução:Estudos recentes têm investigado a presença de alguns achados físicos e de imagens específicas, capazes de identificar pessoas com doença cardiovascular oculta, como as cerebrovasculares e cardiovasculares, os quais se beneficiariam com uma intervenção terapêutica precoce.

Objetivo:Relacionar a presença de pregas diagonais do lobo auricular (PDLA) com a presença de ateromas das artérias carótidas comum e externa, observadas em radiografias panorâmicas (PAAC) e, de calcificações ateroscleróticas dos ramos oftálmicos e cavernosos da artéria carótida interna, observadas em tomografias computadorizadas de feixe cônico (CACI). Fatores como idade, sexo, histórico de doenças cardiovasculares, presença de fatores de risco para doença coronariana (tabagismo, dislipidemia, hipertensão e diabetes mellitus), uso de medicações (anticoagulantes, anti-hipertensivos, diuréticos, bloqueadores dos canais de cálcio e hipoglicemiantes) e histórico familiar de doenças cardiovasculares, também foram relacionados.

Metodologia:Avaliou-se uma amostra de 25 pacientes, 4 do sexo feminino, com média de idade de 64 anos (±5,3) e 21 do sexo masculino, com a média de idade de 67 anos (±9,5), cujo critério de inclusão foi a presença de PDLA. Na sequência, realizou-se uma anamnese contendo dados da história médica de cada paciente. Após, realizou-se um exame físico para confirmar a presença PDLA. Se confirmada, realizava-se a radiografia panorâmica para identificação de ateromas na artéria carótida comum e/ou externa (PAAC) e a tomografia computadorizada de feixe cônico da face, quando indicada, para identificação de calcificações nos segmentos oftálmicos e cavernosos da carótida interna (CACI). As imagens foram analisadas por dois observadores previamente calibrados, para identificação da presença ou ausência de imagens compatíveis com ateromas nestes exames.

Resultados:Para as análises estatísticas, utilizou-se o teste do qui-quadrado, seguido pelo teste Z de diferença entre duas proporções com correção de Bonferroni com nível de significância de 5%. Dos 25 pacientes atendidos, 12 (48%) apresentaram concomitantemente PDLA, PAAC e CACI, seis (24%) possuíam apenas a PDLA e quatro pacientes (16%) apresentavam PDLA e CACI, porém, não possuíam PAAC. Por fim, três pacientes (12%) apresentavam PDLA e PAAC, porém, não possuíam CACI. Quando relacionado os achados das imagens com a idade observou-se que os pacientes que apresentavam PAAC e/ ou CACI, tinham idade estatisticamente maiores, média de 70 anos (±9,9) do que os que não possuíam alterações nas imagens, média de 62 anos (±4,4) (p=0,014) e (p=0,011), respectivamente. Em relação ao sexo não houve diferenças estatisticamente significantes quanto à presença ou ausência de PAAC e CACI. Os pacientes que relataram histórico de uma ou mais doenças cardiovasculares (p=0,027) e uso de uma ou mais medicações diariamente, apresentaram um número maior estatisticamente de CACI (p=0,003). A presença de fatores de risco para doença coronariana e histórico familiar não demonstraram significância estatísticas quando relacionados a PAAC e CACI (p=0,732).

Conclusões:A maioria dos pacientes que apresentava PDLA, apresentava pelo menos, um dos dois tipos de ateromas (76%). A presença de pregas diagonais lobulares parece ser um possível fator preditor de ateromas em carótidas comuns, externas e internas, que podem causar doenças cérebro e cardiovasculares, potencialmente letais.

Palavras-chave:Ateroma. Carótidas. Prega auricular. Radiografia panorâmica. CBCT

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador