AVALIAÇÃO DO TESTE DE CONTATO PARA DIAGNÓSTICO DE HIPERSENSIBILIDADE A TROFOALÉRGENOS EM CÃES COM DERMATITE ATÓPICA.

CRUZ, Ariane de Cassia Oliveira1; FARIAS, Marconi Rodrigues de2;

Resumo

Introdução:Os cães com dermatite atópica podem apresentar uma resposta tardia de hipersensibilidade originada com maior frequência pela proteína bovina, de frango, suína, produtos lácteos, soja, ovo, peixe, arroz e trigo, o que pode suscitar nestes animais prurido intenso, primário, crônico e perene, porém seu diagnóstico é difícil e geralmente associado a baixa adesão ou a desistência pelos proprietários. O teste de contato com extratos de alimentos tem sido realizado para identificar reações a alimentos em humanos com dermatite atópica, porém sua eficácia em cães não tem sido criticamente avaliada.

Objetivo:Este projeto visou avaliar se o teste de contato com extratos alimentares pode ser útil na identificação de reação adversa a alimentos em cães com dermatite atópica.

Metodologia:O estudo foi composto por dois grupos, sendo o grupo 1 formado por 20 cães com diagnóstico de dermatite atópica, e o grupo 2, formado por sete cães hígidos, que não apresentavam histórico de prurido ou qualquer doença dermatológica pregressa. Para realização do teste de contato extratos vaselinados de peixe, bovino, suíno, frango, soja, trigo, leite, ovo, arroz e batata foram preparados na concentração de 5g de substrato proteico cru com 2g de vaselina, colocados em contensores (Allergochambers ®) e em seguida mantidos em contato com a pele da região lateral torácica do cão, previamente tricotomizada, por 48 horas. Após esse período, os contensores eram removidos e a presença de pápulas, manchas ou placas eritematosas interpretadas como positivas.

Resultados:Em relação aos 20 cães com dermatite atópica incluídos no estudo, as raças predominantes foram Shih-tzu e Bulldog francês, cada uma representando 20% dos animais testados. Em relação à idade, 85% dos animais manifestaram sintomas antes dos três anos, sendo que 50% ocorreu antes de 1 ano de idade. A presente pesquisa observou que no grupo experimental a proteína de soja e frango foram as maiores causadoras de reação no patch test, apresentando resultados positivos em 50% (10/20) e 45% (9/20) dos animais testados, respectivamente. As proteínas de peixe e leite causaram maior reação nos animais do grupo controle, representando 43% (3/7) e 29% (2/7), respectivamente. Entretanto, animais normais reagiram com a mesma intensidade que os cães com dermatite atópica aos extratos de sete proteínas testadas, e apenas a soja, frango e batata apresentaram maior reatividade no grupo experimental em relação ao controle.

Conclusões:A reação ao teste de contato com extratos alimentares na pele de cães com dermatite atópica e de cães normais ocorreu de forma semelhante para a maioria das proteínas testadas, não servindo este exame para diagnóstico, mas talvez para estabelecimento de protocolos de dietas restritivas nestes animais.

Palavras-chave:Alergia alimentar. Hiperreatividade imunológica. Dermatopatia.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador