A PARRESÍA NA RELAÇÃO MESTRE E DISCÍPULO NA ANTIGUIDADE GRECO-ROMANA

PEREIRA, Caio Murilo1; INCERTI, Fabiano2;

Resumo

Introdução:O presente trabalho parte das pesquisas do filósofo francês, Michel Foucault, a respeito da parresía na Antiguidade, buscando compreender como que o pensador abordou a noção de tal tema, a partir dos últimos três cursos ministrados por ele no Collège de France e em algumas conferências realizadas na Europa.

Objetivo:Analisar e compreender, por meio do pensamento de Foucault, de que maneira a parresía torna-se uma das técnicas para a formação e constituição de si dentro do contexto da Antiguidade Clássica, destacando assim a relação do mestre com o seu discípulo; Compreender o uso da própria retórica e o dizer verdadeiro, adentrando a questão do próprio autor (Foucault) buscar sentidos em relação à verdade; analisar e aprofundar o desenvolvimento e a utilização entre o mestre e o seu discípulo, como uma das técnicas fundamentais e essenciais para a composição e formação de si próprio na Antiguidade Clássica; entender a filosofia como um modo de vida para Foucault, sendo ela um conjunto de exercícios espirituais, que educam o sujeito para o conhecimento de si.

Metodologia:As principais fontes utilizadas para o desenvolver deste trabalho foram artigos publicados em revistas científicas, além de bibliografias do próprio autor trabalhado; leituras de materiais indicados pelo orientador e elaboração de fichamentos; e, por fim, elaboração de resumos para compor a análise deste tema. O método desta pesquisa é embasado em uma pesquisa bibliográfica e qualitativa.

Resultados:Boa compreensão sobre a noção e discussão acerca da natureza da parresía em Michel Foucault; entendimento sobre a ética do cuidado de si; despertar de um olhar a partir do discurso verdadeiro, interpelando a atividade política e as relações pessoais com uma reflexão ético e filosófica, derivada do autor trabalhado; melhor concepção da relação da parresía com o início da era cristã no final da Antiguidade; entendimento de que a parresía é crucial para a área filosófica e importante também para a construção do conhecimento nas demais áreas das ciências humanas.

Conclusões:Em seus estudos, Foucault mostra que a parresía ocorre por meio das relações Mestre-Discípulo e de suas relações filosófico-pedagógicas, fundamentando que o discurso parresiástico pode estar presente nos campos da Filosofia, da Política, da Ética e, até mesmo, da Religião (relação da alma com Deus). Foucault contempla, visualiza e problematiza a noção da parresía, visando entender como o seu conceito interfere na formação e constituição de si, nos contextos da Antiguidade Clássica e das primeiras comunidades cristãs. A parresía se destaca, também, como ato de que não se fica imune quando pronunciada e que, para Foucault, o discurso verdadeiro acaba atingindo ao interlocutor, mesmo com ele estando ao lado de seu locutor.

Palavras-chave: Parresía. Michel Foucault. Antiguidade clássica. Ética e cuidado de si. Filosofia.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador