ASSOCIAÇÃO ENTRE A UROFLUXOMETRIA LIVRE E O PICTOGRAMA DE ANUF EM PACIENTES MASCULINOS COM SINTOMAS DO TRATO URINÁRIO INFERIOR

ROSINA, Luiz Otávio1; GREGORIO, Emerson Pereira2;

Resumo

Introdução:Os sintomas do trato urinário inferior são condições comuns e tornam-se altamente prevalentes com o decorrer da idade. Dentre os métodos disponíveis para avaliação encontram-se a urofluxometria, os questionários IPSS e OAB-V8, e o estudo urodinâmico. Entretanto, a urofluxometria depende de condições ideais para ser valorada e a falta de acesso a exames por meio dos usuários do sistema público de saúde torna-se um empecilho para sua realização. Recentemente, alguns autores propuseram uma nova ferramenta visual, de custo zero, chamada urofluxometria analógica (ANUF), a qual é um pictograma de quatro homens com fluxos urinários decrescentes (A, B, C e D), e encontraram uma associação da ANUF com o fluxo máximo da urofluxometria.

Objetivo:Avaliar a associação entre o pictograma ANUF com a urofluxometria livre e os questionários IPSS e OAB-V8 em pacientes masculinos com sintomas do trato urinário inferior.

Metodologia:Estudo prospectivo transversal com 601 homens com LUTS e idade superior a 40 anos, atendidos consecutivamente, por um único médico urologista, entre agosto de 2018 e junho de 2019. Não participaram do estudo pacientes com doenças neurológicas, cirurgias prostáticas prévias ou história de estenose de uretra. Os homens informaram sua idade, selecionaram uma imagem da ANUF, que melhor representava seu fluxo urinário, responderam os questionários IPSS e OAB-V8 e foram submetidos a urofluxometria. A urofluxometria foi avaliada em 477 pacientes e para avaliar as associações aplicou-se o teste de Kruskal-Wallis.

Resultados:Dos 601 homens, 57 (9,48%) caracterizaram seu fluxo urinário como A da ANUF, 173 (28,79%) como B, 291 (48,42%) como C e 80 (13,31%) como D. As associações entre as categorias A, B, C e D do Pictograma ANUF e as variáveis dos questionários (IPSS, IPSS questão 5, IPSS subgrupo de armazenamento, IPSS subgrupo de esvaziamento e OAB-V8) foram significantes para todas as variáveis (p<0,0001 para todas associações). As medianas do IPSS das quatro imagens da ANUF (A, B,C e D) foram, respectivamente, 2, 3, 6 e 14. As medianas do OAB-V8 das quatro imagens da ANUF (A, B,C e D) foram, respectivamente, 2, 3, 4 e 9. Foi encontrado uma também associação significante das quatro imagens da ANUF com a idade e dados da urofluxometria (fluxo máximo e médio; nomograma de Liverpool do fluxo máximo e médio). As medianas do fluxo máximo (ml/s) das quatro imagens da ANUF (A, B, C e D) foram, respectivamente, 22,4; 18,9; 17,1 e 15,2. Observou-se que as 4 imagens do ANUF não apresentaram diferença estatisticamente significante da mediana do volume urinado (p=0,0822).

Conclusões:O pictograma ANUF associa-se com as variáveis da urofluxometria livre, podendo ser uma ferramenta substitutiva em situações de indisponibilidade do exame ou nas quais apenas a estimativa de tais parâmetros é necessária. Além disso, os questionários IPSS e OAB-V8 também demostraram associação com o pictograma ANUF.

Palavras-chave: Urofluxometria. Sintomas do Trato Urinário Inferior. Pictograma ANUF. IPSS. OAB-V8.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador