IDENTIDADE DO MINISTÉRIO ORDENADO

SILVA, Leonardo de Andrade da1; NENTWIG, Roberto2;

Resumo

Introdução:O presente trabalho consiste em uma averiguação acerca da Identidade Ministerial no contexto hodierno, a partir de uma síntese entre os principais períodos da História da Igreja e do ministério eclesial, com o intuito de ressignificar a imagem e o caráter ministerial contemporâneo. Os objetivos principais desta pesquisa consistem em elaborar uma síntese que perpassará todos os principais períodos da história do ministério e a construção de uma linha cronológica, outrossim a criação de um perfil ministerial.

Objetivo:Identificar os principais elementos que caracterizam de modo autêntico a identidade do ministro ordenado, a partir de uma gênese histórica, como proposta de uma ressignificação. Traçar um perfil ministerial proposto inicialmente até os tempos atuais. Para tal, investigar-se-á os principais documentos, do Concílio Vaticano II e do pós-concílio, para a construção de uma resolução ministerial que abranja os novos tempos.

Metodologia:Como método foi resguardada a revisão bibliográfica de obras de cunho teológico e histórico, e a partir dela a produção de fichamentos das partes mais tangentes das obras para a pesquisa. Após este processo de organização e sistematização de conteúdo, empregou-se o método de análise de dados para a conclusão dos resultados obtidos.

Resultados:Verificou-se que durante a Igreja Primitiva, há uma pluralidade de ministérios sem divisão formal entre eles, mais importante do que a hierarquia é a presença dos chamados anciãos nas comunidades. Com a evolução ministerial, ocorre nos primórdios do medievalismo a sacerdotização do ministro e o surgimento do termo padre. No decurso da Idade Moderna, não houve grandes avanços a respeito da identidade ministerial, o que levou a um período de estagnação no que tange a Teologia do Ministério. O Concílio Vaticano II foi o grande elemento unificador entre os dois milênios da Igreja, o que resultou em um retorno às origens. No que diz respeito ao presbítero, com a teologia atual, deve ser concebido à luz da missão salvífica de Cristo e enquanto homem pertencente tanto à dimensão do sagrado, quanto a do profano.

Conclusões:Percebe-se que, mesmo com os esforços dos padres conciliares em estabelecer a identidade do ministro ordenado, essa ainda está em construção, doravante, o presbítero é aquele que assume a concepção teológica de servo e se coloca à disposição da comunidade.

Palavras-chave: Ministério. Ressignificação. Identidade. Sacerdócio. Missão.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador