DIMENSÃO FÍSICA E ESPAÇO PÚBLICO PERCEBIDO: UM ESTUDO POR CARTOGRAFIAS CRÍTICAS DAS RUAS BARÃO DO RIO BRANCO E RIACHUELO

BERALDO, Camila Schnepper1; CRESTANI, Andrei Mikhail Zaiatz2;

Resumo

Introdução:Essa pesquisa aborda a discussão o espaço público com ênfase em sua dimensão física, tendo como plano de análise o “espaço percebido” da teoria de Henri Lefebvre. A teoria estudada oferece uma base conceitual para discutir como é possível interpretar via cartografia crítica o espaço público para além de uma descrição comum de seus atributos materiais, tendo como caso empírico o eixo das ruas Barão do Rio Branco e Riachuelo no centro de Curitiba - Paraná.

Objetivo:Interpretar, por meio de cartografias críticas, o espaço público em sua dimensão física a partir do plano do percebido em Henri Lefebvre. Tem como objetivo específico a interpretação de como a população percebe e, logo, produz um (re)conhecimento de conteúdos do espaço público.

Metodologia:O estudo usou como método de pesquisa entrevista aberta junto a população in loco, assim como da catalogação fotográfica dos edifícios que compõem o eixo estudado. Para as entrevistas foi utilizado o seguinte questionamento: “Quando você passa por esse ponto dessa quadra, qual é a primeira palavra que vem em sua cabeça?”. Esta pergunta se deu na tentativa de capturar os elos semânticos que sustentam a percepção dos sujeitos em relação ao espaço público. As palavras mencionadas foram georeferenciadas no contexto em que foram ditas. Após este processo foram desenvolvidas cartografias realizando a análise paralela entre a alteração da percepção dos cidadãos entre diferentes trechos do eixo, interpretando-os a partir de atributos físicos do espaço público: a paleta de cores dos edifícios; presença de pichação ou graffiti; as permeabilidades visuais no térreo e a iluminação relativa da quadra.

Resultados:As cartografias desenvolvidas mostraram diferenciação de percepção entre as ruas Barão do Rio Branco e Riachuelo. Ambas apresentam grande densidade de palavras relacionadas a semântica de “conflito”, mas existe uma tendência de se encontrar mais presente tal semântica na Rua Riachuelo, que é marcada pela constância de edifícios vandalizados e em mau estado de conservação, além de ser marcada por práticas marginais no período em que o comércio está fechado.

Conclusões:A pesquisa desenvolvida mostra que os espaços podem ser interpretados de maneira singular por quem interage com ele. Embora para uma pesquisa mais concreta e melhor desenvolvida seja necessário maior tempo de execução, este projeto cumpre seu objetivo de oferecer uma possibilidade distinta de interpretação do espaço público desde o plano do percebido, construindo um processo de cartografias críticas que oferece maior suporte para estudos críticos da produção do espaço público.

Palavras-chave: Espaço público. Percepção. Cartografias.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador