EFICIÊNCIA DO UM BIOFERTILIZANTE ANAERÓBICO NO FORNECIMENTO DE NUTRIENTES PARA CULTURA DO ESPINAFRE

GOMES, Vinícius Fernando Carrasco1; PASTOR, Renan Cavaça 3; RICHART, Alfredo2;

Resumo

Introdução:O espinafre é uma planta herbácea de grande interesse nutricional pela presença de compostos bioativos e antioxidantes. Para se obter alta produtividade de modo sustentável, estratégias de cultivo devem ser adotadas, dentre as quais a utilização de biofertilizantes, os quais são efluentes oriundos de processos de decomposição aeróbia ou anaeróbia de materiais orgânicos por microrganismos, podendo ser suplementados com minerais e com utilização possível em diferentes tipos de cultivos na agricultura.

Objetivo:Avaliar a eficiência de um biofertilizante aeróbio no fornecimento de nutrientes para a cultura do espinafre.

Metodologia:O experimento foi conduzido em Assis Chateaubriand, Paraná, no período de novembro de 2018 até maio de 2019. O delineamento experimental utilizado foi de blocos ao acaso, com os tratamentos arranjados em esquema fatorial 1 x 10 + 1, sendo um biofertilizante e dez doses (0, 50, 100, 150, 200, 250, 300, 350, 400, 450 e 500mL.semana-1) mais um tratamento adicional com fertilizante químico solúvel (04-14-08), com cinco repetições, totalizando 55 unidades experimentais, alocadas em casa de vegetação coberta com tela de sombreamento de 50%. Após 90 DAS foram avaliados os parâmetros de número de ramos por planta (RPP), número de ramos laterais por planta (RLP), comprimento de ramos (CR), comprimento de raiz (CRA), diâmetro de colmo (DC) e massa seca de parte aérea (MS).

Resultados:Não ocorreram diferenças significativas para os parâmetros ramos por planta (RPP), ramos laterais por planta (RLP), comprimento de ramos (CR), comprimento de raiz (CRA), diâmetro de colmo (DC) e massa seca de parte aérea (MS) de espinafre submetidos a adubação com biofertilizante aeróbio e fertilizante químico.

Conclusões:Durante o processo de decomposição microbiológica para a produção do biofertilizante, ocorreu liberação em solução de algum componente fitotóxico, possivelmente alguns metais ou íons de alumínio oriundos do pó da rocha basáltica utilizada. A aplicação do biofertilizante em diluições acima de 200 mL semana-1 causou intenso processo de intoxicação que culminou na morte das plantas. As plantas tratadas com doses de até 150 mL semana-1 concluíram o ciclo produtivo, mas com desenvolvimento abaixo da testemunha e do tratamento adicional feito com fertilizante químico. O espinafre é uma planta que se mostrou sensibilidade à intoxicação por metais pesados e/ou alumínio.

Palavras-chave: Spinacia oleraceae. Biofertilizante. Agroecologia. Nutrição. Sustentabilidade.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador
    3. Colaborador