COGNITIVISMO REVISADO: O QUE RESTA DAS CIÊNCIAS COGNITIVAS NA ERA DAS MÁQUINAS SUPERINTELIGENTES

NETO, Moisés Bueno Farias1; CANDIOTTO, Kleber Bez Birolo2;

Resumo

Introdução:A possibilidade da reprodução da inteligência humana em máquinas foi objeto de estudo da filosofia da mente e de ciências cognitivas na segunda metade do século XX, estendendo-se até os dias atuais. Ray Kurzweil influenciado pelo modelo computacional da mente irá postular que em um futuro próximo a inteligência das máquinas superarão a capacidade cognitiva humana.

Objetivo:Compreender o lugar da consciência na perspectiva transumanista a partir das contribuições de Ray Kurzweil.

Metodologia:O Método de pesquisa consistiu em recorrer à leitura dos livros e artigos pertinentes ao tema. Além do aporte literário, também é parte do método a orientação por parte do professor-orientador e a participação em grupos de estudos vinculados a este assunto. A conversa e debates com colegas estudantes que são pesquisadores afins deste ramo de análise também se faz como pertinente ao desenvolvimento desta.

Resultados:Com o objetivo de identificar a contribuição do pensamento de Kurzweil para uma melhor compreensão da consciência, percorremos pelas três correntes de teóricos da mente, os naturalistas, os não naturalistas e novos misterianos, buscando deixar claro que o pensamento de Kurzweil está alicerçado no modelo computacional da mente, corrente esta presente dentro do movimento naturalista. Quanto a sua hipótese da singularidade, Kurzweil tem convicção de que a fusão homem e máquina ocorrerá, e que significará um grande salto para a qualidade de vida dos humanos, que na verdade se transformarão em pós humanos. Apesar de sua convicção de que a singularidade chegará, percebemos na presente pesquisa que a preocupação de Kurzweil está mais ligada ao modo como a humanidade deverá encarar este processo, não recorrendo a ceticismos infundados e abordagens metafísicas inférteis, que ao invés de tratar da problemática da singularidade se esquivam dela. Com a busca pela singularidade sendo alcançada ou não, mesmo assim somente os esforços dos estudos transumanista envolvidos nessa tentativa e a própria convergência tecnológica remodelaram nosso entendimento acerca das características e definição de corpo, mente e consciência, e de como estes se relacionam entre si.

Conclusões:Ao revisarmos o cognitivismo, afim de procurarmos o que restou das ciências cognitivas na era das máquinas superinteligentes, chegamos à conclusão que o que sobrou foi o problema da consciência. A hipótese da singularidade em Kurzweil evidencia que o já conhecido modelo computacional da mente ainda é vigente e, apesar de ter contribuído para uma melhor compreensão da consciência, não conseguiu esgota-la, pois não é possível limitar o entendimento acerca da consciência e da mente somente analisando suas funcionalidades. Mesmo com o crescimento exponencial da tecnologia e com os avanços dos estudos da neurociência, o problema da consciência se demonstra resiliente e nos deixa em um dilema quanto a viabilidade das investigações acerca da natureza da consciência. Sendo possível ou impossível descobrirmos como a consciência emerge, ainda assim observaremos que o problema da consciência continuará balizando muitos estudos e discussões, seja no âmbito ontológico, gnosiológico ou ético.

Palavras-chave: Consciência. Singularidade. Inteligência artificial.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador