IMPRECAÇÕES NO SL 137: O CLAMOR DE UM POVO

JUNIOR, Waldir Romero1; SILVEIRA, Rogerio Goldoni2;

Resumo

Introdução:A presente pesquisa analisa exegeticamente o Sl 137, sobretudo o que tange as três imprecações contidas nele, destacando, primeiramente, suas particularidades a fim de possibilitar, num segundo momento, uma discussão que leve em consideração a conexão existente entre o Sl 137 e os demais Salmos que compõem o livro V do Saltério (Sl 107-150), bem como sua importância dentro de toda a coleção que compreende os 150 Salmos. A pesquisa considera as questões estruturais e exegéticas do Sl 137, buscando, através das análises sintáticas e semânticas do poema, uma melhor compreensão exegética e teológica.

Objetivo:Esta pesquisa tem o intento de analisar qual o escopo comunicativo presente nas três imprecações do Sl 137, propondo uma interpretação que não considere somente o poema em si mesmo, mas a interconexão com os demais Salmos do Saltério, bem como com outros textos bíblicos que tratem do mesmo assunto.

Metodologia:Os resultados só puderam ser obtidos frente a uma análise minuciosa do poema. Tal análise partiu do emprego do método histórico-crítico, compreendendo os passos da tradução, segmentação, análise sintática, semântica e exegética da unidade poética. Para tanto, recorreu-se a exegetas, manuais de poética e dicionários, a fim de que a pesquisa se tornasse mais completa.

Resultados:O Sl 137 apresenta a realidade de um povo que, estando exilado na Babilônia, chora por lembrar de sua pátria longínqua. Mesmo que o poema inicie e termine de forma dramática, é possível vislumbrá-lo como um Salmo de esperança, em que a fidelidade que o povo mantém para com Sião/Jerusalém, que mesmo estando distante fisicamente, através da fidelidade, se faz próxima espiritualmente. Esta fidelidade é cantada pelo salmista em forma de imprecação, buscando apresentar o desejo do povo em nunca se esquecer da pátria mãe. Nos últimos versículos, o Sl 137 aponta um clamor e desafogo do povo exilado sobre os idumeus e babilônios, responsáveis pela destruição de Sião/Jerusalém. O desejo do povo é que esta destruição que eles investiram contra a cidade do SENHOR não passe impune. Evocando a Lei do Talião, desejam a Edom e Babilônia a retribuição por tudo aquilo que eles causaram contra Sião/Jerusalém e seu povo. Este desejo de retribuição alcança seu cume no último versículo do poema, em que os israelitas pedem a destruição total da Babilônia e de seus descendentes.

Conclusões:O Sl 137 não pode ser visto como um poema isolado dos demais Salmos que compõe o Saltério Bíblico, mas, apreendendo suas particularidades, apontar aquilo que lhes são comuns. Este poema, entendido como um Salmo de esperança, evoca, de certo modo, a lealdade do SENHOR para com o seu povo, tema tão explorado no livro V do Saltério (cf. Sl 107-150) e que transmite aos exilados a esperança de que o SENHOR não os deixará, mas os livrará de todos aqueles tormentos pelos quais estão passando.

Palavras-chave: Sl 137. Imprecação. Exílio na Babilônia. Jerusalém. Sião.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador