A ESCOLA UNITÁRIA E A EDUCAÇÃO OMNILATERAL

JÚNIOR, Antonio Vicente de Almeida1; PEREIRA, Fabio Inacio2;

Resumo

Introdução:A presente pesquisa intitulada “A Escola Unitária e a Educação Omnilateral” aborda dois importantes temas das ideias educacionais elaboradas por Antonio Gramsci (1891-1937) em alguns dos seus 33 cadernos que escreveu enquanto encarcerado no regime totalitária italiano de Benito Mussolini.

Objetivo:Como objetivo se tinha a discussão acerca desta proposta de educação de Antonio Gramsci em sua escola unitária na perspectiva da formação de um “novo intelectual” direcionado a omnilateralidade, ou seja, a formação do homem por inteiro, em todas as suas dimensões.

Metodologia:Para isto, foi utilizado o método hermenêutico de modo a possibilitar uma interpretação de suas ideias sobre educação. De maneira central dedicando-se sobre o caderno 12 do pensador, intitulado “Apontamentos e Notas Dispersas para um grupo de ensaios sobre a história dos intelectuais”, com o auxílio de algumas leituras de trechos de outros cadernos como o 4, que auxiliavam no entendimento do assunto e de comentadores como Schlesener (2002), Nosella (2016), Manacorda (1990), buscou-se compreender em que consiste de fato a proposta da escola unitária segundo o autor e como ela se constitui afim de formar um homem novo, que na perspectiva da educação omnilateral forma-o de maneira integral, levando em consideração sua realidade, história, suas dimensões como o trabalho, o estudo, entre outras coisas.

Resultados:A partir de leituras, discussões e reflexões sobre os temas relacionados àqueles principais da pesquisa nos escritos de Antonio Gramsci, compreende-se que a escola unitária é fruto de uma reflexão acerca do que chama de intelectuais e a organização da cultura. Tal escola se caracteriza por uma escola inicial e geral, sempre pública e financiada pelo estado sem sua interferência ideológica, e sem transições bruscas, um segundo momento mais ativo, livre e que proporcione o aluno a experimentar o trabalho não se desvinculando do ensino intelectual e assim de maneira livre escolha sua profissão. Assim se retoma o que propõe Marx quando fala sobre a educação omnilateral e Gramsci segue, uma formação orgânica e total do homem, em todos os seus aspectos sociais, humanos e históricos afim de formar um novo homem para a sociedade industrial, capaz de ser governante devido a sua potencialidade integral, um especialista e político.

Conclusões:Considera-se então, o homem, formado a partir dessa concepção de educação, nessa proposta de escola unitária, não é apenas uma engrenagem para o sistema econômico, menos ainda uma vida dedicada a reflexões abstratas e pouco práticas não contribuindo para a sociedade real, industrial, mas um homem que é capaz de a partir de sua intelectualidade transformar a sociedade porque trabalha e não se desvincula desta sociedade, a real sociedade industrial.

Palavras-chave: Antonio Gramsci. Escola Unitária. Educação Omnilateral.

Legendas

    1. Estudante
    2. Orientador